quarta-feira, 29 de março de 2017

1ª Leitura - Gn 17,3-9 - 06.04.2017

5ª-feira da 5ª Semana da Quaresma
6 de Abril de 2017
Cor: Roxo

Farei de ti o pai de uma multidão de nações.

Leitura do Livro do Gênesis 17,3-9

Naqueles dias:
3Abrão prostrou-se com o rosto por terra.
4E Deus lhe disse:
'Eis a minha aliança contigo:
tu serás pai de uma multidão de nações.
5Já não te chamarás Abrão,
mas o teu nome será Abraão,
porque farei de ti o pai de uma multidão de nações.
6Farei crescer tua descendência infinitamente.
Farei nascer de ti nações,
e reis sairão de ti.
7Estabelecerei minha aliança entre mim e ti
e teus descendentes para sempre;
uma aliança eterna,
para que eu seja teu Deus e o Deus de teus descendentes.
8A ti e aos teus descendentes
darei a terra em que vives como estrangeiro,
todo o país de Canaã como propriedade para sempre.
E eu serei o Deus dos teus descendentes'.
9Deus disse a Abraão:
'Guarda a minha aliança,
tu e a tua descendência para sempre.
Palavra do Senhor.
Fonte CNBB

1ª Leitura - Dn 3,14-20.24.49a.91-92.95 - 05.04.2017

4ª-feira da 5ª Semana da Quaresma
5 de Abril de 2017
Cor: Roxo

Enviou seu anjo e libertou seus servos.

Leitura da Profecia de Daniel 3,14-20.24.49a.91-92.95

Naqueles dias:
14O rei Nabucodonosor tomou a palavra e disse:
'É verdade, Sidrac, Misac e Abdênago,
que não prestais culto a meus deuses
e não adorais a estátua de ouro
que mandei erguer?
15E agora, quando ouvirdes tocar trombeta,
flauta, cítara, harpa, saltério e gaitas,
e toda espécie de instrumentos,
estais prontos a prostrar-vos
e adorar a estátua que mandei fazer?
Mas, se não fizerdes adoração,
no mesmo instante
sereis atirados na fornalha de fogo ardente;
e qual é o deus
que poderá libertar-vos de minhas mãos?
16Sidrac, Misac e Abdênago
responderam ao rei Nabucodonosor:
'Não há necessidade de te respondermos sobre isto:
17se o nosso Deus, a quem rendemos culto,
pode livrar-nos da fornalha de fogo ardente,
ele também poderá libertar-nos de tuas mãos, ó rei.
18Mas, se ele não quiser libertar-nos,
fica sabendo, ó rei,
que nós não prestaremos culto a teus deuses
e tampouco adoraremos a estátua de ouro
que mandaste fazer'.
19A estas palavras,
Nabucodonosor encheu-se de cólera
contra Sidrac, Misac e Abdênago,
a ponto de se alterar a expressão do rosto;
deu ordem para acender a fornalha
com sete vezes mais fogo que de costume;
20e encarregou os soldados mais fortes do exército
para amarrarem Sidrac, Misac e Adbênago
e os lançarem na fornalha de fogo ardente.
24Os três jovens andavam de cá para lá
no meio das chamas,
entoando hinos a Deus e bendizendo ao Senhor.
49aMas o anjo do Senhor
tinha descido simultaneamente na fornalha
para junto de Azarias e seus companheiros.
91O rei Nabucodonosor,
tomado de pasmo, levantou-se apressadamente,
e perguntou a seus ministros:
'Porventura, não lançamos três homens bem amarrados
no meio do fogo?'
Responderam ao rei:
'É verdade, ó rei'.
92Disse este:
'Mas eu estou vendo quatro homens
andando livremente no meio do fogo,
sem sofrerem nenhum mal,
e o aspecto do quarto homem
é semelhante ao de um filho de Deus.'
95Exclamou Nabucodonosor:
'Bendito seja o Deus de Sidrac, Misac e Abdênago,
que enviou seu anjo e libertou seus servos,
que puseram nele sua confiança
e transgrediram o decreto do rei,
preferindo entregar suas vidas
a servir e adorar qualquer outro Deus
que não fosse o seu Deus.
Palavra do Senhor.
Fonte CNBB

1ª Leitura - Nm 21,4-9 - 04.04.2017

3ª-feira da 5ª Semana da Quaresma
4 de Abril de 2017
Cor: Roxo

Aquele que for mordido e olhar
para a serpente de bronze viverá.

Leitura do Livro dos Números 21,4-9

Naqueles dias:
4Os filhos de Israel partiram do monte Hor,
pelo caminho que leva ao mar Vermelho,
para contornarem o país de Edom.
Durante a viagem o povo começou a impacientar-se,
5e se pôs a falar contra Deus e contra Moisés, dizendo:
'Por que nos fizestes sair do Egito
para morrermos no deserto?
Não há pão, falta água,
e já estamos com nojo desse alimento miserável'.
6Então o Senhor mandou contra o povo
serpentes venenosas,
que os mordiam;
e morreu muita gente em Israel.
7O povo foi ter com Moisés e disse:
'Pecamos, falando contra o Senhor e contra ti.
Roga ao Senhor que afaste de nós as serpentes'.
Moisés intercedeu pelo povo,
8e o Senhor respondeu:
'Faze uma serpente abrasadora
e coloca-a como sinal sobre uma haste;
aquele que for mordido e olhar para ela viverá'.
9Moisés fez, pois, uma serpente de bronze
e colocou-a como sinal sobre uma haste.
Quando alguém era mordido por uma serpente,
e olhava para a serpente de bronze,
ficava curado.
Palavra do Senhor.
Fonte CNBB

terça-feira, 28 de março de 2017

1ª Leitura - Dn 13,1-9.15-17.19-30.33-62 - 03.04.2017

2ª-feira da 5ª Semana da Quaresma
3 de Abril de 2017
Cor: Roxo

Estou condenada a morrer, quando nada fiz.

Leitura da Profecia de Daniel 13,1-9.15-17.19-30.33-62

Naqueles dias:
1Na Balilônia vivia um homem chamado Joaquim.
2Estava casado com uma mulher
chamada Susana, filha de Helcias,
que era muito bonita e temente a Deus.
3Também os pais dela eram pessoas justas
e tinham educado a filha
de acordo com a lei de Moisés.
4Joaquim era muito rico
e possuía um pomar junto à sua casa.
Muitos judeus costumavam visitá-lo,
pois era o mais respeitado de todos.
5Ora, naquele ano,
tinham sido nomeados juízes dois anciãos do povo,
a respeito dos quais o Senhor havia dito:
'Da Babilônia brotou a maldade de anciãos-juízes,
que passavam por condutores do povo.'
6Eles freqüentavam a casa de Joaquim,
e todos os que tinham alguma questão
se dirigiam a eles.
7Ora, pelo meio-dia, quando o povo se dispersava,
Susana costumava entrar
e passear no pomar de seu marido.
8Os dois anciãos viam-na todos os dias
entrar e passear,
e acabaram por se apaixonar por ela.
9Ficaram desnorteados,
a ponto de desviarem os olhos
para não olharem para o céu,
e se esqueceram dos seus justos julgamentos.
15Assim, enquanto os dois
estavam à espera de uma ocasião favorável,
certo dia, Susana entrou no pomar como de costume,
acompanhada apenas por duas empregadas.
E sentiu vontade de tomar banho,
por causa do calor.
16Não havia ali ninguém, exceto os dois velhos
que estavam escondidos,
e a espreitavam.
17Então ela disse às empregadas:
'Por favor, ide buscar-me óleo e perfumes
e trancai as portas do pomar,
para que eu possa tomar banho'.
19Apenas as empregadas tinham saído,
os dois velhos levantaram-se
e correram para Susana, dizendo:
20'Olha, as portas do pomar estão trancadas
e ninguém nos está vendo.
Estamos apaixonados por ti:
concorda conosco e entrega-te a nós!
21Caso contrário, deporemos contra ti,
que um moço esteve aqui,
e que foi por isso
que mandaste embora as empregadas'.
22Gemeu Susana, dizendo:
'Estou cercada de todos os lados!
Se eu fizer isto, espera-me a morte;
e, se não o fizer,
também não escaparei das vossas mãos;
23mas é melhor para mim, não o fazendo,
cair nas vossas mãos do que pecar diante do Senhor!'
24Então ela pôs-se a gritar em alta voz,
mas também os dois velhos gritaram contra ela.
25Um deles correu para as portas do pomar e as abriu.
26As pessoas da casa ouviram a gritaria no pomar
e precipitaram-se pela porta do fundo,
para ver o que estava acontecendo,
27Quando os velhos apresentaram sua versão dos fatos,
os empregados ficaram muito constrangidos,
porque jamais se dissera coisa semelhante
a respeito de Susana.
28No dia seguinte,
o povo veio reunir-se em casa de Joaquim, seu marido.
Os dois anciãos vieram também,
com a intenção criminosa
de conseguir sua condenação à morte.
Por isso, assim falaram ao povo reunido:
29'Mandai chamar Susana,
filha de Helcias, mulher de Joaquim'!
E foram chamá-la.
30Ela compareceu em companhia dos pais,
dos filhos e de todos os seus parentes.
33Os que estavam com ela
e todos os que a viam, choravam.
34Os dois velhos levantaram-se no meio do povo
e puseram as mãos sobre a cabeça de Susana.
35Ela, entre lágrimas, olhou para o céu,
pois seu coração tinha confiança no Senhor.
36Entretanto, os dois anciãos deram este depoimento:
'Enquanto estávamos passeando a sós no pomar,
esta mulher entrou com duas empregadas.
Depois, fechou as portas do pomar
e mandou as servas embora.
37Então, veio ter com ela um moço
que estava escondido,
e com ela se deitou.
38Nós, que estávamos num canto do pomar,
vimos esta infâmia.
Corremos para eles e os surpreendemos juntos.
39Quanto ao jovem, não conseguimos agarrá-lo,
porque era mais forte do que nós
e, abrindo as portas, fugiu.
40A ela, porém, agarramos,
e perguntamos quem era aquele moço.
Ela, porém, não quis dizer.
Disto nós somos testemunhas'.
41A assembléia acreditou neles,
pois eram anciãos do povo e juízes.
E condenaram Susana à morte.
42Susana, porém, chorando, disse em voz alta:
'Ó Deus eterno, que conheces as coisas escondidas
e sabes tudo de antemão,
antes que aconteça!
43Tu sabes que é falso o testemunho
que levantaram contra mim!
Estou condenada a morrer,
quando nada fiz do que estes maldosamente inventaram
a meu respeito!'
44O Senhor escutou sua voz.
45Enquanto a levavam para a execução,
Deus excitou o santo espírito de um adolescente,
de nome Daniel.
46E ele clamou em alta voz:
'Sou inocente do sangue desta mulher!'
47Todo o povo então voltou-se para ele e perguntou:
'Que palavra é esta, que acabas de dizer?'
48De pé, no meio deles, Daniel respondeu:
'Sois tão insensatos, filhos de Israel?
Sem julgamento
e sem conhecimento da causa verdadeira,
vós condenais uma filha de Israel?
49Voltai a repetir o julgamento,
pois é falso o testemunho
que levantaram contra ela!'
50Todo o povo voltou apressadamente,
e outros anciãos disseram ao jovem:
'Senta-te no meio de nós
e dá-nos o teu parecer,
pois Deus te deu a honra da velhice.'
51Falou então Daniel:
'Mantende os dois separados,
longe um do outro,
e eu os julgarei.'
52Tendo sido separados,
Daniel chamou um deles e lhe disse:
'Velho encarquilhado no mal!
Agora aparecem os pecados
que estavas habituado a praticar.
53Fazias julgamentos injustos,
condenando inocentes e absolvendo culpados,
quando o Senhor ordena:
'Tu não farás morrer o inocente e o justo!'
54Pois bem,
se é que viste, dize-me
à sombra de que árvore os viste abraçados?'
Ele respondeu:
'É sombra de uma aroeira.'
55Daniel replicou
'Mentiste com perfeição,
contra a tua própria cabeça.
Por isso o anjo de Deus,
tendo recebido já a sentença divina,
vai rachar-te pelo meio!'
56Mandando sair este,
ordenou que trouxessem o outro:
'Raça de Canaã, e não de Judá,
a beleza fascinou-te
e a paixão perverteu o teu coração.
57Era assim que procedíeis com as filhas de Israel,
e elas por medo sujeitavam-se a vós.
Mas uma filha de Judá
não se submeteu a essa iniqüidade.
58Agora, pois, dize-me
debaixo de que árvore os surpreendeste juntos?'
Ele respondeu:
'Debaixo de uma azinheira.'
59Daniel retrucou:
'Também tu mentiste com perfeição,
contra a tua própria cabeça.
Por isso o anjo de Deus já está à espera,
com a espada na mão, para cortar-te ao meio
e para te exterminar!'
60Toda a assistência pôs-se a gritar com força,
bendizendo a Deus, que salva os que nele esperam.
61E voltaram-se contra os dois velhos,
pois Daniel os tinha convencido,
por suas próprias palavras,
de que eram falsas testemunhas.
E, agindo segundo a lei de Moisés,
fizeram com eles
aquilo que haviam tramado perversamente
contra o próximo.
62E assim os mataram,
enquanto, naquele dia, era salva uma vida inocente.
Palavra do Senhor.
Fonte CNBB

1ª Leitura - Ez 37,12-14 - 02.04.2017

5º Domingo da Quaresma
2 de Abril de 2017
Cor: Roxo

Porei em vós o meu espírito para que vivais.

Leitura da Profecia de Ezequiel 37,12-14

12Assim fala o Senhor Deus:
Ó meu povo, vou abrir as vossas sepulturas
e conduzir-vos para a terra de Israel;
13e quando eu abrir as vossas sepulturas
e vos fizer sair delas, sabereis que eu sou o Senhor.
14Porei em vós o meu espírito,
para que vivais e vos colocarei em vossa terra.
Então sabereis que eu, o Senhor, digo e faço
- oráculo do Senhor'.
Palavra do Senhor.
Fonte CNBB

1ª Leitura - Jr 11,18-20 - 01.04.2017

Sábado da 4ª Semana da Quaresma
1 de Abril de 2017
Cor: Roxo

Eu era como manso cordeiro levado ao sacrifício.

Leitura do Livro do Profeta Jeremias 11,18-20

18Senhor, avisaste-me e eu entendi;
fizeste-me saber as intrigas deles.
19Eu era como manso cordeiro levado ao sacrifício,
e não sabia que tramavam contra mim:
'Vamos cortar a árvore em toda sua força,
eliminá-lo do mundo dos vivos,
para seu nome não ser mais lembrado.'
20E tu, Senhor dos exércitos,
que julgas com justiça
e perscrutas os afetos do coração,
concede que eu veja a vingança
que tomarás contra eles,
pois eu te confiei a minha causa.
Palavra do Senhor.
Fonte CNBB

quinta-feira, 23 de março de 2017

1ª Leitura - Sb 2,1a.12-22 - 31.03.2017

6ª-feira da 4ª Semana da Quaresma
31 de Março de 2017
Cor: Roxo

Vamos condená-lo à morte vergonhosa.

Leitura do Livro da Sabedoria 2,1a.12-22

1aDizem entre si, os ímpios, em seus falsos raciocínios:
12Armemos ciladas ao justo, porque sua presença nos incomoda:
ele se opõe ao nosso modo de agir,
repreende em nós as transgressões da lei
e nos reprova as faltas contra a nossa disciplina.
13Ele declara possuir o conhecimento de Deus
e chama-se 'filho de Deus'.
14Tornou-se uma censura aos nossos pensamentos
e só o vê-lo nos é insuportável;
15sua vida é muito diferente da dos outros,
e seus caminhos são imutáveis.
16Somos comparados por ele à moeda falsa
e foge de nossos caminhos como de impurezas;
proclama feliz a sorte final dos justos
e gloria-se de ter a Deus por pai.
17Vejamos, pois, se é verdade o que ele diz,
e comprovemos o que vai acontecer com ele.
18Se, de fato, o justo é 'filho de Deus', Deus o defenderá
e o livrará das mãos dos seus inimigos.
19Vamos pô-lo à prova com ofensas e torturas,
para ver a sua serenidade
e provar a sua paciência;
20vamos condená-lo à morte vergonhosa,
porque, de acordo com suas palavras,
virá alguém em seu socorro'.
21Tais são os pensamentos dos ímpios, mas enganam-se;
pois a malícia os torna cegos,
22não conhecem os segredos de Deus,
não esperam recompensa para a santidade
e não dão valor ao prêmio reservado às vidas puras.
Palavra do Senhor.
Fonte CNBB