quarta-feira, 30 de março de 2016

1ª Leitura - At 4,32-37 - 05.04.2016

Leia também: LITURGIA DA PALAVRA
3ª-feira da 2ª Semana da Páscoa
Cor: Branco

Um só coração e uma só alma.

Leitura dos Atos dos Atos dos Apóstolos 4,32-37

32A multidão dos fiéis era um só coração e uma só alma.
Ninguém considerava como próprias as coisas que possuía,
mas tudo entre eles era posto em comum.
33Com grandes sinais de poder,
os apóstolos davam testemunho
da ressurreição do Senhor Jesus.
E os fiéis eram estimados por todos.
34Entre eles ninguém passava necessidade,
pois aqueles que possuíam terras ou casas,
vendiam-nas, levavam o dinheiro,
35e o colocavam aos pés dos apóstolos.
Depois,
era distribuído conforme a necessidade de cada um.
36José, chamado pelos apóstolos de Barnabé,
que significa filho da consolação,
levita e natural de Chipre,
37possuía um campo.
Vendeu e foi depositar o dinheiro aos pés dos apóstolos.
Palavra do Senhor.
Fonte CNBB

Leia também:
Mensagens de Fé

1ª Leitura - Is 7,10-14; 8,10 - 04.04.2016

Leia também: LITURGIA DA PALAVRA
Anunciação do Senhor
Solenidade
Cor: Branco

Eis que uma virgem conceberá.

Leitura do Livro do Profeta Isaías 7,10-14; 8,10

Naqueles dias,
10 o Senhor falou com Acaz, dizendo:
11"Pede ao Senhor teu Deus que te faça ver um sinal,
quer provenha da profundeza da terra,
quer venha das alturas do céu".
12Mas Acaz respondeu:
"Não pedirei nem tentarei o Senhor".
13Disse o profeta:
"Ouvi então, vós, casa de Davi;
será que achais pouco incomodar os homens
e passais a incomodar até o meu Deus?
14Pois bem, o próprio Senhor vos dará um sinal.
Eis que uma virgem conceberá e dará à luz um filho,
e lhe porá o nome de Emanuel,
8,10porque Deus está conosco.
Palavra do Senhor.
Fonte CNBB

Leia também:
Mensagens de Fé

1ª Leitura - At 5,12-16 - 03.04.2016

Leia também: LITURGIA DA PALAVRA
2º Domingo da Páscoa
Cor: Branco

Multidões cada vez maiores de homens e
de mulheres aderiam ao Senhor pela fé.

Leitura dos Atos dos Apóstolos 5,12-16

12Muitos sinais e maravilhas
eram realizados entre o povo pelas mãos dos apóstolos.
Todos os fiéis se reuniam, com muita união,
no Pórtico de Salomão,
13Nenhum dos outros ousava juntar-se a eles,
mas o povo estimava-os muito.
14Crescia sempre mais
o número dos que aderiam ao Senhor pela fé;
era uma multidão de homens e mulheres.
15Chegavam a transportar para as praças os doentes
em camas e macas,
a fim de que, quando Pedro passasse,
pelo menos a sua sombra tocasse alguns deles.
16A multidão vinha até das cidades vizinhas de Jerusalém,
trazendo doentes
e pessoas atormentadas por maus espíritos.
E todos eram curados.
Palavra do Senhor.
Fonte CNBB

Leia também:
Mensagens de Fé

1ª Leitura - At 4,13-21 - 02.04.2016

Leia também: LITURGIA DA PALAVRA
Sábado na Oitava da Páscoa
Cor: Branco

Quanto a nós, não nos podemos calar
sobre o que vimos e ouvimos.

Leitura dos Atos dos Apóstolos 4,13-21

Naqueles dias:
Os chefes dos sacerdotes, os anciãos e os escribas,
13ficaram admirados ao ver a segurança
com que Pedro e João falavam,
pois eram pessoas simples e sem instrução.
Reconheciam que eles tinham estado com Jesus.
14No entanto viam, de pé, junto a eles,
o homem que tinha sido curado.
E não podiam dizer nada em contrário.
15Mandaram que saíssem para fora do Sinédrio,
e começaram a discutir entre si:
16'O que vamos fazer com esses homens?
Eles realizaram um milagre claríssimo,
e o fato tornou-se de tal modo conhecido
por todos os habitantes de Jerusalém,
que não podemos negá-lo.
17Contudo, a fim de que a coisa
não se espalhe ainda mais entre o povo,
vamos ameaçá-los, para que não falem mais a ninguém
a respeito do nome de Jesus.'
18Chamaram de novo Pedro e João
e ordenaram-lhes que, de modo algum,
falassem ou ensinassem em nome de Jesus.
19Pedro e João responderam:
'Julgai vós mesmos, se é justo diante de Deus
que obedeçamos a vós e não a Deus!
20Quanto a nós, não nos podemos calar
sobre o que vimos e ouvimos.'
21Então, insistindo em suas ameaças,
deixaram Pedro e João em liberdade,
já que não tinham meio de castigá-los,
por causa do povo.
Pois todos glorificavam a Deus
pelo que havia acontecido.
Palavra do Senhor.
Fonte CNBB

Leia também:
Mensagens de Fé

1ª Leitura - At 4,1-12 - 01.04.2016

Leia também: LITURGIA DA PALAVRA
6ª-feira na Oitava da Páscoa
Cor: Branco

Em nenhum outro há salvação.

Leitura dos Atos dos Apóstolos 4,1-12

Naqueles dias: depois que o paralítico fôra curado,
1Pedro e João ainda estavam falando ao povo,
quando chegaram os sacerdotes,
o chefe da guarda do Templo e os saduceus.
2Estavam irritados porque os apóstolos ensinavam o povo
e anunciavam a ressurreição dos mortos
na pessoa de Jesus.
3Eles prenderam Pedro e João
e os colocaram na prisão até ao dia seguinte,
porque já estava anoitecendo.
4Todavia, muitos daqueles
que tinham ouvido a pregação acreditaram.
E o número dos homens chegou a uns cinco mil.
5No dia seguinte, reuniram-se em Jerusalém
os chefes, os anciãos e os mestres da Lei.
6Estavam presentes o Sumo Sacerdote Anás,
e também Caifás, João, Alexandre,
e todos os que pertenciam
às famílias dos sumos sacerdotes.
7Fizeram Pedro e João comparecer diante deles
e os interrogavam:
'Com que poder ou em nome de quem vós fizestes isso?'
8Então, Pedro, cheio do Espírito Santo, disse-lhes:
'Chefes do povo e anciãos:
9hoje estamos sendo interrogados
por termos feito o bem a um enfermo
e pelo modo como foi curado.
10Ficai, pois, sabendo todos vós e todo o povo de Israel:
é pelo nome de Jesus Cristo, de Nazaré,
- aquele que vós crucificastes
e que Deus ressuscitou dos mortos -
que este homem está curado, diante de vós.
11Jesus é a pedra, que vós, os construtores,
desprezastes, e que se tornou a pedra angular.
12Em nenhum outro há salvação,
pois não existe debaixo do céu
outro nome dado aos homens
pelo qual possamos ser salvos.'
Palavra do Senhor.
Fonte CNBB

Leia também:
Mensagens de Fé

1ª Leitura - At 3,11-26 - 31.03.2016

Leia também: LITURGIA DA PALAVRA
5ª-feira na Oitava da Páscoa
Cor: Branco

Vós matastes o autor da vida,
mas Deus o ressuscitou dos mortos.

Leitura dos Atos dos Apóstolos 3,11-26

Naqueles dias:
11Como o paralítico não deixava mais Pedro e João,
todo o povo, assombrado,
foi correndo para junto deles,
no chamado 'Pórtico de Salomão'.
12Ao ver isso, Pedro dirigiu-se ao povo:
'Israelitas, por que vos espantais com o que aconteceu?
Por que ficais olhando para nós,
como se tivéssemos feito este homem andar
com nosso próprio poder ou piedade?
13O Deus de Abraão, de Isaac, de Jacó,
o Deus de nossos antepassados
glorificou o seu servo Jesus.
Vós o entregastes e o rejeitastes diante de Pilatos,
que estava decidido a soltá-lo.
14Vós rejeitastes o Santo e o Justo,
e pedistes a libertação para um assassino.
15Vós matastes o autor da vida,
mas Deus o ressuscitou dos mortos,
e disso nós somos testemunhas.
16Graças à fé no nome de Jesus,
este Nome acaba de fortalecer este homem
que vêdes e reconheceis.
A fé que vem por meio de Jesus lhe deu perfeita saúde
na presença de todos vós.
17E agora, meus irmãos,
eu sei que vós agistes por ignorância,
assim como vossos chefes.
18Deus, porém, cumpriu desse modo
o que havia anunciado pela boca de todos os profetas:
que o seu Cristo haveria de sofrer.
19Arrependei-vos, portanto, e convertei-vos,
para que vossos pecados sejam perdoados.
20Assim podereis alcançar
o tempo do repouso que vem do Senhor.
E ele enviará Jesus,
o Cristo, que vos foi destinado.
21No entanto, é necessário que o céu o receba,
até que se cumpra
o tempo da restauração de todas as coisas,
conforme disse Deus, nos tempos passados,
pela boca de seus santos profetas.
22Com efeito, Moisés afirmou:
'O Senhor Deus fará surgir, entre vossos irmãos,
um profeta como eu.
Escutai tudo o que ele vos disser.
23Quem não der ouvidos a esse profeta,
será eliminado do meio do povo'.
24E todos os profetas que falaram,
desde Samuel e seus sucessores,
também eles anunciaram estes dias.
25Vós sois filhos dos profetas e da aliança,
que Deus fez com vossos pais,
quando disse a Abraão:
'Através da tua descendência serão abençoadas
todas as famílias da terra'.
26Após ter ressuscitado o seu servo,
Deus o enviou em primeiro lugar a vós, para vos abençoar,
na medida em que cada um se converta de suas maldades.'
Palavra do Senhor.
Fonte CNBB

terça-feira, 29 de março de 2016

1ª Leitura - At 3,1-10 - 30.03.2016

Leia também: LITURGIA DA PALAVRA
4ª-feira na Oitava da Páscoa
Cor: Branco

O que tenho eu te dou:
em nome de Jesus levanta-te e anda!

Leitura dos Atos dos Apóstolos 3,1-10

Naqueles dias:
1Pedro e João subiram ao Templo
para a oração das três horas da tarde.
2Então trouxeram um homem, coxo de nascença,
que costumavam colocar todos os dias
na porta do Templo, chamada Formosa,
a fim de que pedisse esmolas aos que entravam.
3Quando viu Pedro e João entrando no Templo,
o homem pediu uma esmola.
4Os dois olharam bem para ele
e Pedro disse: 'Olha para nós!'
5O homem fitou neles o olhar,
esperando receber alguma coisa.
6Pedro então lhe disse:
'Não tenho ouro nem prata, mas o que tenho eu te dou:
em nome de Jesus Cristo, o Nazareno,
levanta-te e anda!'
7E pegando-lhe a mão direita, Pedro o levantou.
Na mesma hora,
os pés e os tornozelos do homem ficaram firmes.
8Então ele deu um pulo, ficou de pé e começou a andar.
E entrou no Templo junto com Pedro e João,
andando, pulando e louvando a Deus.
9O povo todo viu o homem andando e louvando a Deus.
10E reconheceram que era ele
que pedia esmolas, sentado na porta Formosa do Templo.
E ficaram admirados e espantados
com o que havia acontecido com ele.
Palavra do Senhor.
Fonte CNBB

segunda-feira, 28 de março de 2016

1ª Leitura - At 2,36-41 - 29.03.2016

Leia também: LITURGIA DA PALAVRA
3ª-feira na Oitava da Páscoa
Cor: Branco

Convertei-vos; e cada um de vós
seja batizado em nome de Jesus Cristo.

Leitura dos Atos dos Apóstolos 2,36-41

No dia de Pentecostes, Pedro disse aos judeus:
36Que todo o povo de Israel
reconheça com plena certeza:
Deus constituiu Senhor e Cristo
a este Jesus que vós crucificastes.'
37Quando ouviram isso,
eles ficaram com o coração aflito,
e perguntaram a Pedro e aos outros apóstolos:
'Irmãos, o que devemos fazer?'
38Pedro respondeu:
'Convertei-vos e cada um de vós seja batizado
em nome de Jesus Cristo,
para o perdão dos vossos pecados.
E vós recebereis o dom do Espírito Santo.
39Pois a promessa é para vós e vossos filhos,
e para todos aqueles que estão longe,
todos aqueles que o Senhor nosso Deus chamar para si.'
40Com muitas outras palavras,
Pedro lhes dava testemunho, e os exortava, dizendo:
'Salvai-vos dessa gente corrompida!'
41Os que aceitaram as palavras de Pedro
receberam o batismo.
Naquele dia,
mais ou menos três mil pessoas, se uniram a eles.
Palavra do Senhor.
Fonte CNBB

domingo, 27 de março de 2016

1ª Leitura - At 2,14.22-33 - 28.03.2016

Leia também: LITURGIA DA PALAVRA
2ª-feira na Oitava da Páscoa
Cor: Branco

Não era possível que a morte o dominasse.

Leitura dos Atos dos Apóstolos 2,14.22-33

No dia de Pentecostes,
14Pedro de pé, junto com os onze apóstolos,
levantou a voz e falou à multidão:
22'Homens de Israel, escutai estas palavras:
Jesus de Nazaré foi um homem aprovado por Deus,
junto de vós, pelos milagres, prodígios e sinais
que Deus realizou, por meio dele, entre vós.
Tudo isto vós bem o sabeis.
23Deus, em seu desígnio e previsão,
determinou que Jesus fosse entregue pelas mãos dos
ímpios, e vós o matastes, pregando-o numa cruz.
24Mas Deus ressuscitou a Jesus,
libertando-o das angústias da morte,
porque não era possível que ela o dominasse.
25Pois Davi dele diz:
Eu via sempre o Senhor diante de mim, pois está à
minha direita para eu não vacilar.
26Alegrou-se por isso meu coração
e exultou minha língua
e até minha carne repousará na esperança.
27Porque não deixarás minha alma
na região dos mortos nem permitirás que teu Santo
experimente corrupção.
28Deste-me a conhecer os caminhos da vida e
a tua presença me encherá de alegria.
29Irmãos, seja-me permitido dizer com franqueza
que o patriarca Davi morreu e foi sepultado e seu
sepulcro está entre nós até hoje.
30Mas, sendo profeta, sabia que Deus lhe jurara
solenemente que um de seus descendentes
ocuparia o trono.
31É, portanto, a ressurreição de Cristo que previu e
anunciou com as palavras:
Ele não foi abandonado na região dos mortos
e sua carne não conheceu a corrupção.
32Com efeito, Deus ressuscitou este mesmo Jesus
e disto todos nós somos testemunhas.
33E agora, exaltado pela direita de Deus,
Jesus recebeu o Espírito Santo que fora prometido
pelo Pai, e o derramou, como estais vendo e ouvindo.
Palavra do Senhor.
Fonte CNBB

sábado, 26 de março de 2016

1ª Leitura - At 10,34a.37-43 - 27.03.2016

Leia também: LITURGIA DA PALAVRA
Domingo da Páscoa
Cor: Branco

Comemos e bebemos com ele depois
que ressuscitou dos mortos.

Leitura dos Atos dos Apóstolos 10,34a.37-43

Naqueles dias:
34aPedro tomou a palavra e disse:
37Vós sabeis o que aconteceu em toda a Judéia,
a começar pela Galiléia,
depois do batismo pregado por João:
38como Jesus de Nazaré foi ungido por Deus
com o Espírito Santo e com poder.
Ele andou por toda a parte, fazendo o bem
e curando a todos os que estavam dominados pelo
demônio; porque Deus estava com ele.
39E nós somos testemunhas de tudo o que Jesus fez
na terra dos judeus e em Jerusalém.
Eles o mataram, pregando-o numa cruz.
40Mas Deus o ressuscitou no terceiro dia,
concedendo-lhe manifestar-se
41não a todo o povo,
mas às testemunhas que Deus havia escolhido:
a nós, que comemos e bebemos com Jesus,
depois que ressuscitou dos mortos.
42E Jesus nos mandou pregar ao povo
e testemunhar que Deus o constituiu
Juiz dos vivos e dos mortos.
43Todos os profetas dão testemunho dele:
'Todo aquele que crê em Jesus
recebe, em seu nome, o perdão dos pecados'.'
Palavra do Senhor.
Fonte CNBB

sexta-feira, 25 de março de 2016

1ª Leitura - Gn 1,1 - 2,2 - 26.03.2016

Leia também: LITURGIA DA PALAVRA
Sábado Santo
Páscoa
Cor: Roxo

Deus viu tudo quanto havia feito
e eis que tudo era muito bom.

Leitura do Livro do Gênesis 1,1 - 2,2

1No princípio Deus criou o céu e a terra.
2A terra estava deserta e vazia,
as trevas cobriam a face do abismo
e o Espírito de Deus pairava sobre as águas.
3Deus disse: 'Faça-se a luz!' E a luz se fez.
4Deus viu que a luz era boa e separou a luz das trevas.
5E à luz Deus chamou 'dia'
e às trevas, 'noite'.
Houve uma tarde e uma manhã: primeiro dia.
6Deus disse: 'Faça-se um firmamento entre as águas,
separando umas das outras'.
7E Deus fez o firmamento,
e separou as águas que estavam embaixo,
das que estavam em cima do firmamento. E assim se fez.
8Ao firmamento Deus chamou 'céu'.
Houve uma tarde e uma manhã: segundo dia.
9Deus disse:
'Juntem-se as águas que estão debaixo do céu
num só lugar e apareça o solo enxuto!'
E assim se fez.
10Ao solo enxuto Deus chamou 'terra'
e ao ajuntamento das águas, 'mar'.
E Deus viu que era bom.
11Deus disse: 'A terra faça brotar vegetação
e plantas que dêem semente, e árvores frutíferas que
dêem fruto segundo a sua espécie, que tenham nele
a sua semente sobre a terra'. E assim se fez.
12E a terra produziu vegetação
e plantas que trazem semente segundo a sua espécie,
e árvores que dão fruto tendo nele a semente
da sua espécie. E Deus viu que era bom.
13Houve uma tarde e uma manhã: terceiro dia.
14Deus disse:
'Façam-se luzeiros no firmamento do céu,
para separar o dia da noite.
Que sirvam de sinais para marcar as épocas
os dias e os anos,
15e que resplandeçam no firmamento do céu
e iluminem a terra'. E assim se fez.
16Deus fez os dois grandes luzeiros:
o luzeiro maior para presidir ao dia,e o luzeiro menor
para presidir à noite, e as estrelas.
17Deus colocou-os no firmamento do céu
para alumiar a terra,
18para presidir ao dia e à noite e separar
a luz das trevas. E Deus viu que era bom.
19E houve uma tarde e uma manhã: quarto dia.
20Deus disse:
'Fervilhem as águas de seres animados de vida
e voem pássaros sobre a terra,
debaixo do firmamento do céu'.
21Deus criou os grandes monstros marinhos e todos
os seres vivos que nadam, em multidão, nas águas,
segundo as suas espécies, e todas as aves,
segundo as suas espécies. E Deus viu que era bom.
22E Deus os abençoou, dizendo:
'Sede fecundos e multiplicai-vos e enchei as águas do
mar, e que as aves se multipliquem sobre a terra'.
23Houve uma tarde e uma manhã: quinto dia.
24Deus disse: 'Produza a terra seres vivos
segundo as suas espécies, animais domésticos, répteis
e animais selvagens, segundo as suas espécies'.
E assim se fez.
25Deus fez os animais selvagens,
segundo as suas espécies,
os animais domésticos segundo as suas espécies
e todos os répteis do solo segundo as suas espécies.
E Deus viu que era bom.
26Deus disse: 'Façamos o homem à nossa imagem
e segundo à nossa semelhança,
para que domine sobre os peixes do mar,
sobre as aves do céu,
e sobre todos os répteis que rastejam sobre a terra'.
27E Deus criou o homem à sua imagem,
à imagem de Deus ele o criou: homem e mulher os criou.
28E Deus os abençoou e lhes disse:
'Sede fecundos e multiplicai-vos,
enchei a terra e submetei-a!
Dominai sobre os peixes do mar,
sobre os pássaros do céu
e sobre todos os animais que se movem sobre a terra'.
29E Deus disse:
'Eis que vos entrego todas as plantas que dão semente
sobre a terra, e todas as árvores que produzem fruto
com sua semente, para vos servirem de alimento.
30E a todos os animais da terra,
e a todas as aves do céu, e a tudo o que rasteja sobre
a terra e que é animado de vida, eu dou todos os
vegetais para alimento'. E assim se fez.
31E Deus viu tudo quanto havia feito,
e eis que tudo era muito bom.
Houve uma tarde e uma manhã: sexto dia.
2,1E assim foram concluídos o céu e a terra
com todo o seu exército.
2No sétimo dia, Deus considerou acabada
toda a obra que tinha feito; e no sétimo dia descansou
de toda a obra que fizera.
Palavra do Senhor.
Fonte CNBB

quinta-feira, 24 de março de 2016

1ª Leitura - Is 52,13 - 53,12 - 25.03.2016

Leia também: LITURGIA DA PALAVRA
Sexta-feira da Paixão do Senhor
Páscoa
Cor: Vermelho

Ele foi ferido por causa de nossos pecados.

Leitura do Livro do Profeta Isaías

13Ei-lo, o meu Servo será bem sucedido;
sua ascensão será ao mais alto grau.
14Assim como muitos ficaram pasmados ao vê-lo
- tão desfigurado ele estava que não parecia
ser um homem ou ter aspecto humano -,
15do mesmo modo ele espalhará sua fama entre os povos.
Diante dele os reis se manterão em silêncio,
vendo algo que nunca lhes foi narrado
e conhecendo coisas que jamais ouviram.
53,1'Quem de nós deu crédito ao que ouvimos?
E a quem foi dado reconhecer a força do Senhor?
2Diante do Senhor ele cresceu como renovo de planta
ou como raiz em terra seca.
Não tinha beleza nem atrativo para o olharmos,
não tinha aparência que nos agradasse.
3Era desprezado como o último dos mortais,
homem coberto de dores, cheio de sofrimentos;
passando por ele, tapávamos o rosto;
tão desprezível era, não fazíamos caso dele.
4A verdade é que ele tomava sobre si nossas
enfermidades e sofria, ele mesmo, nossas dores;
e nós pensávamos fosse um chagado,
golpeado por Deus e humilhado!
5Mas ele foi ferido por causa de nossos pecados,
esmagado por causa de nossos crimes;
a punição a ele imposta era o preço da nossa paz,
e suas feridas, o preço da nossa cura.
6Todos nós vagávamos como ovelhas desgarradas,
cada qual seguindo seu caminho;
e o Senhor fez recair sobre ele
o pecado de todos nós'.
7Foi maltratado, e submeteu-se, não abriu a boca;
como cordeiro levado ao matadouro
ou como ovelha diante dos que a tosquiam,
ele não abriu a boca.
8Foi atormentado pela angústia e foi condenado.
Quem se preocuparia com sua história de origem?
Ele foi eliminado do mundo dos vivos;
e por causa do pecado do meu povo
foi golpeado até morrer.
9Deram-lhe sepultura entre ímpios, um túmulo entre
os ricos, porque ele não praticou o mal
nem se encontrou falsidade em suas palavras.
10O Senhor quis macerá-lo com sofrimentos.
Oferecendo sua vida em expiação,
ele terá descendência duradoura,
e fará cumprir com êxito a vontade do Senhor.
11Por esta vida de sofrimento,
alcançará luz e uma ciência perfeita.
Meu Servo, o justo, fará justos inúmeros homens,
carregando sobre si suas culpas.
12Por isso, compartilharei com ele multidões
e ele repartirá suas riquezas com os valentes
seguidores, pois entregou o corpo à morte,
sendo contado como um malfeitor;
ele, na verdade, resgatava o pecado de todos
e intercedia em favor dos pecadores.
Palavra do Senhor.
Fonte CNBB

quarta-feira, 23 de março de 2016

1ª Leitura - Is 61,1-3a.6a.8b-9 - 24.03.2016

Leia também: LITURGIA DA PALAVRA
Quinta-feira da Semana Santa - Missa do Crisma
Páscoa
Cor: Roxo

O Senhor me ungiu e enviou-me
para dar a boa-nova aos humildes.

Leitura do Livro do Profeta Isaías 61,1-3a.6a.8b-9

1O espírito do Senhor Deus está sobre mim,
porque o Senhor me ungiu;
enviou-me para dar a boa-nova aos humildes,
curar as feridas da alma,
pregar a redenção para os cativos
e a liberdade para os que estão presos;
2para proclamar o tempo da graça do Senhor
e o dia da vingança do nosso Deus;
para consolar todos os que choram,
3apara reservar e dar aos que sofrem por Sião
uma coroa, em vez de cinza,
o óleo da alegria, em vez da aflição.
6aVós sois os sacerdotes do Senhor,
chamados 'ministros de nosso Deus'.
8bEu os recompensarei por suas obras segundo a verdade,
e farei com eles uma aliança perpétua.
9Sua descendência será conhecida entre as nações,
e seus filhos se fixarão no meio dos povos;
quem os vir há de reconhecê-los
como descendentes abençoados por Deus.
Palavra do Senhor.
Fonte CNBB

terça-feira, 22 de março de 2016

1ª Leitura - Is 50,4-9a - 23.03.2016

Leia também: LITURGIA DA PALAVRA
4ª-feira da Semana Santa
Páscoa
Cor: Roxo

Não desviei o rosto de bofetões e cusparadas.

(3º canto do Servo do Senhor)
Leitura do Livro do Profeta Isaías 50,4-9a

4O Senhor Deus deu-me língua adestrada,
para que eu saiba dizer
palavras de conforto à pessoa abatida;
ele me desperta cada manhã
e me excita o ouvido,
para prestar atenção como um discípulo.
5O Senhor abriu-me os ouvidos;
não lhe resisti nem voltei atrás.
6Ofereci as costas para me baterem
e as faces para me arrancarem a barba:
não desviei o rosto
de bofetões e cusparadas.
7Mas o Senhor Deus é meu Auxiliador,
por isso não me deixei abater o ânimo,
conservei o rosto impassível como pedra,
porque sei que não sairei humilhado.
8A meu lado está quem me justifica;
alguém me fará objeções? Vejamos.
Quem é meu adversário? Aproxime-se.
9aSim, o Senhor Deus é meu Auxiliador;
quem é que me vai condenar?
Palavra do Senhor.
Fonte CNBB

segunda-feira, 21 de março de 2016

1ª Leitura - Is 49,1-6 - 22.03.2016

Leia também: LITURGIA DA PALAVRA
3ª-feira da Semana Santa Páscoa
Cor: Roxo

Eu te farei luz das nações, para que
minha salvação chegue até aos confins da terra.

(2º canto do Servo do Senhor)
Leitura do Livro do Profeta Isaías 49,1-6

1Nações marinhas, ouvi-me, povos distantes, prestai atenção:
o Senhor chamou-me antes de eu nascer,
desde o ventre de minha mãe
ele tinha na mente o meu nome;
2fez de minha palavra uma espada afiada,
protegeu-me à sombra de sua mão
e fez de mim uma flecha aguçada,
escondida em sua aljava,
3e disse-me: 'Tu és o meu Servo,
Israel, em quem serei glorificado'.
4E eu disse: 'Trabalhei em vão,
gastei minhas forças sem fruto, inutilmente;
entretanto o Senhor me fará justiça
e o meu Deus me dará recompensa'.
5E agora diz-me o Senhor
- ele que me preparou desde o nascimento
para ser seu Servo - que eu recupere Jacó para ele
e faça Israel unir-se a ele;
aos olhos do Senhor esta é a minha glória.
6Disse ele: 'Não basta seres meu Servo
para restaurar as tribos de Jacó
e reconduzir os remanescentes de Israel:
eu te farei luz das nações,
para que minha salvação
chegue até aos confins da terra'.
Palavra do Senhor.
Fonte CNBB

domingo, 20 de março de 2016

1ª Leitura - Is 42,1-7 - 21.03.2016

Leia também: LITURGIA DA PALAVRA
2ª-feira da Semana Santa
Páscoa
Cor: Roxo

Ele não clama nem levanta a voz,
nem se faz ouvir pelas ruas.

(1º canto do Servo do Senhor).
Leitura do Livro do Profeta Isaías 42,1-7

1'Eis o meu servo - eu o recebo;
eis o meu eleito - nele se compraz minh'alma;
pus meu espírito sobre ele,
ele promoverá o julgamento das nações.
2Ele não clama nem levanta a voz,
nem se faz ouvir pelas ruas.
3Não quebra uma cana rachada
nem apaga um pavio que ainda fumega;
mas promoverá o julgamento para obter a verdade.
4Não esmorecerá nem se deixará abater,
enquanto não estabelecer a justiça na terra;
os países distantes esperam seus ensinamentos.'
5Isto diz o Senhor Deus,
que criou o céu e o estendeu,
firmou a terra e tudo que dela germina,
que dá a respiração aos seus habitantes
e o sopro da vida ao que nela se move:
6'Eu, o Senhor, te chamei para a justiça
e te tomei pela mão;
eu te formei e te constituí como o centro
de aliança do povo, luz das nações,
7para abrires os olhos dos cegos,
tirar os cativos da prisão,
livrar do cárcere os que vivem nas trevas.
Palavra do Senhor.
Fonte CNBB

sábado, 19 de março de 2016

1ª Leitura - Is 50,4-7 - 20.03.2016

Leia também: LITURGIA DA PALAVRA
Domingo de Ramos da Paixão do Senhor
Quaresma
Cor: Vermelho

Não desviei meu rosto das bofetadas e
cusparadas; sei que não serei humilhado.

Leitura do Livro do Profeta Isaías 50,4-7

4O Senhor Deus deu-me língua adestrada,
para que eu saiba dizer
palavras de conforto à pessoa abatida;
ele me desperta cada manhã e me excita o ouvido,
para prestar atenção como um discípulo.
5O Senhor abriu-me os ouvidos;
não lhe resisti nem voltei atrás.
6Ofereci as costas para me baterem e
as faces para me arrancarem a barba;
não desviei o rosto de bofetões e cusparadas.
7Mas o Senhor Deus é meu Auxiliador,
por isso não me deixei abater o ânimo,
conservei o rosto impassível como pedra,
porque sei que não sairei humilhado.
Palavra do Senhor.
Fonte CNBB

sexta-feira, 18 de março de 2016

1ª Leitura - 2Sm 7,4-5a.12-14a.16 - 19.03.2016

Leia também: LITURGIA DA PALAVRA
São José, esposo de Nossa Senhora .
Solenidade
Cor: Branco

O Senhor lhe dará o trono de Davi, seu pai. (Lc 1,32)

Leitura do Segundo Livro de Samuel 7,4-5a.12-14a.16

Naqueles dias,
4a palavra do Senhor foi dirigida a Nató nestes termos:
5a"Vai dizer ao meu servo Davi:
`Assim fala o Senhor:
12Quando chegar o fim dos teus dias
e repousares com teus pais,
então, suscitarei, depois de ti, um filho teu,
e confirmarei a sua realeza.
13Será ele que construirá uma casa para o meu nome,
e eu firmarei para sempre o seu trono real.
14aEu serei para ele um pai
e ele será para mim um filho.
16Tua casa e teu reino
serão estáveis para sempre diante de mim,
e teu trono será firme para sempre'".
Palavra do Senhor.
Fonte CNBB

quinta-feira, 17 de março de 2016

1ª Leitura - Jr 20,10-13 - 18.03.2016

Leia também: LITURGIA DA PALAVRA
6ª-feira da 5ª Semana
Quaresma
Cor: Roxo

Ele salvou das mãos dos malvados a vida do pobre.

Leitura do Livro do Profeta Jeremias 20,10-13

Jeremias disse:
10Eu ouvi as injúrias de tantos homens
e os vi espalhando o medo em redor:
'Denunciai-o, denunciemo-lo.'
Todos os amigos observavam minhas falhas:
'Talvez ele cometa um engano e nós poderemos apanhá-lo
e desforrar-nos dele.'
11Mas o Senhor está ao meu lado, como forte guerreiro;
por isso, os que me perseguem
cairão vencidos.
Por não terem tido êxito,
eles se cobrirão de vergonha.
Eterna infâmia, que nunca se apaga!
12O Senhor dos exércitos, que provas o homem justo
e vês os sentimentos do coração,
rogo-te me faças ver tua vingança sobre eles;
pois eu te declarei a minha causa.
13Cantai ao Senhor, louvai o Senhor,
pois ele salvou a vida de um pobre homem
das mãos dos maus.
Palavra do Senhor.
Fonte CNBB

quarta-feira, 16 de março de 2016

1ª Leitura - Gn 17,3-9 - 17.03.2016

Leia também: LITURGIA DA PALAVRA
5ª-feira da 5ª Semana
Quaresma
Cor: Roxo

Farei de ti o pai de uma multidão de nações.

Leitura do Livro do Gênesis 17,3-9

Naqueles dias:
3Abrão prostrou-se com o rosto por terra.
4E Deus lhe disse:
'Eis a minha aliança contigo:
tu serás pai de uma multidão de nações.
5Já não te chamarás Abrão,
mas o teu nome será Abraão,
porque farei de ti o pai de uma multidão de nações.
6Farei crescer tua descendência infinitamente.
Farei nascer de ti nações,
e reis sairão de ti.
7Estabelecerei minha aliança entre mim e ti
e teus descendentes para sempre;
uma aliança eterna,
para que eu seja teu Deus e o Deus de teus descendentes.
8A ti e aos teus descendentes
darei a terra em que vives como estrangeiro,
todo o país de Canaã como propriedade para sempre.
E eu serei o Deus dos teus descendentes'.
9Deus disse a Abraão:
'Guarda a minha aliança,
tu e a tua descendência para sempre.
Palavra do Senhor.
Fonte CNBB

terça-feira, 15 de março de 2016

1ª Leitura - Dn 3,14-20.24.49a.91-92.95 - 16.03.2016

Leia também: LITURGIA DA PALAVRA
4ª-feira da 5ª Semana
Quaresma
Cor: Roxo

Enviou seu anjo e libertou seus servos.

Leitura da Profecia de Daniel 3,14-20.24.49a.91-92.95

Naqueles dias:
14O rei Nabucodonosor tomou a palavra e disse:
'É verdade, Sidrac, Misac e Abdênago,
que não prestais culto a meus deuses
e não adorais a estátua de ouro
que mandei erguer?
15E agora, quando ouvirdes tocar trombeta,
flauta, cítara, harpa, saltério e gaitas,
e toda espécie de instrumentos,
estais prontos a prostrar-vos
e adorar a estátua que mandei fazer?
Mas, se não fizerdes adoração,
no mesmo instante
sereis atirados na fornalha de fogo ardente;
e qual é o deus
que poderá libertar-vos de minhas mãos?
16Sidrac, Misac e Abdênago
responderam ao rei Nabucodonosor:
'Não há necessidade de te respondermos sobre isto:
17se o nosso Deus, a quem rendemos culto,
pode livrar-nos da fornalha de fogo ardente,
ele também poderá libertar-nos de tuas mãos, ó rei.
18Mas, se ele não quiser libertar-nos,
fica sabendo, ó rei,
que nós não prestaremos culto a teus deuses
e tampouco adoraremos a estátua de ouro
que mandaste fazer'.
19A estas palavras,
Nabucodonosor encheu-se de cólera
contra Sidrac, Misac e Abdênago,
a ponto de se alterar a expressão do rosto;
deu ordem para acender a fornalha
com sete vezes mais fogo que de costume;
20e encarregou os soldados mais fortes do exército
para amarrarem Sidrac, Misac e Adbênago
e os lançarem na fornalha de fogo ardente.
24Os três jovens andavam de cá para lá
no meio das chamas,
entoando hinos a Deus e bendizendo ao Senhor.
49aMas o anjo do Senhor
tinha descido simultaneamente na fornalha
para junto de Azarias e seus companheiros.
91O rei Nabucodonosor,
tomado de pasmo, levantou-se apressadamente,
e perguntou a seus ministros:
'Porventura, não lançamos três homens bem amarrados
no meio do fogo?'
Responderam ao rei:
'É verdade, ó rei'.
92Disse este:
'Mas eu estou vendo quatro homens
andando livremente no meio do fogo,
sem sofrerem nenhum mal,
e o aspecto do quarto homem
é semelhante ao de um filho de Deus.'
95Exclamou Nabucodonosor:
'Bendito seja o Deus de Sidrac, Misac e Abdênago,
que enviou seu anjo e libertou seus servos,
que puseram nele sua confiança
e transgrediram o decreto do rei,
preferindo entregar suas vidas
a servir e adorar qualquer outro Deus
que não fosse o seu Deus.
Palavra do Senhor.
Fonte CNBB

segunda-feira, 14 de março de 2016

1ª Leitura - Nm 21,4-9 - 15.03.2016

Leia também: LITURGIA DA PALAVRA
3ª-feira da 5ª Semana
Quaresma
Cor: Roxo

Aquele que for mordido e olhar
para a serpente de bronze viverá.

Leitura do Livro dos Números 21,4-9

Naqueles dias:
4Os filhos de Israel partiram do monte Hor,
pelo caminho que leva ao mar Vermelho,
para contornarem o país de Edom.
Durante a viagem o povo começou a impacientar-se,
5e se pôs a falar contra Deus e contra Moisés, dizendo:
'Por que nos fizestes sair do Egito
para morrermos no deserto?
Não há pão, falta água,
e já estamos com nojo desse alimento miserável'.
6Então o Senhor mandou contra o povo
serpentes venenosas,
que os mordiam;
e morreu muita gente em Israel.
7O povo foi ter com Moisés e disse:
'Pecamos, falando contra o Senhor e contra ti.
Roga ao Senhor que afaste de nós as serpentes'.
Moisés intercedeu pelo povo,
8e o Senhor respondeu:
'Faze uma serpente abrasadora
e coloca-a como sinal sobre uma haste;
aquele que for mordido e olhar para ela viverá'.
9Moisés fez, pois, uma serpente de bronze
e colocou-a como sinal sobre uma haste.
Quando alguém era mordido por uma serpente,
e olhava para a serpente de bronze,
ficava curado.
Palavra do Senhor.
Fonte CNBB

domingo, 13 de março de 2016

1ª Leitura - Dn 13,1-9.15-17.19-30.33-62 - 14.03.2016

Leia também: LITURGIA DA PALAVRA
2ª-feira da 5ª Semana
Quaresma
Cor: Roxo

Estou condenada a morrer, quando nada fiz.

Leitura da Profecia de Daniel 13,1-9.15-17.19-30.33-62

Naqueles dias:
1Na Balilônia vivia um homem chamado Joaquim.
2Estava casado com uma mulher
chamada Susana, filha de Helcias,
que era muito bonita e temente a Deus.
3Também os pais dela eram pessoas justas
e tinham educado a filha
de acordo com a lei de Moisés.
4Joaquim era muito rico
e possuía um pomar junto à sua casa.
Muitos judeus costumavam visitá-lo,
pois era o mais respeitado de todos.
5Ora, naquele ano,
tinham sido nomeados juízes dois anciãos do povo,
a respeito dos quais o Senhor havia dito:
'Da Babilônia brotou a maldade de anciãos-juízes,
que passavam por condutores do povo.'
6Eles freqüentavam a casa de Joaquim,
e todos os que tinham alguma questão
se dirigiam a eles.
7Ora, pelo meio-dia, quando o povo se dispersava,
Susana costumava entrar
e passear no pomar de seu marido.
8Os dois anciãos viam-na todos os dias
entrar e passear,
e acabaram por se apaixonar por ela.
9Ficaram desnorteados,
a ponto de desviarem os olhos
para não olharem para o céu,
e se esqueceram dos seus justos julgamentos.
15Assim, enquanto os dois
estavam à espera de uma ocasião favorável,
certo dia, Susana entrou no pomar como de costume,
acompanhada apenas por duas empregadas.
E sentiu vontade de tomar banho,
por causa do calor.
16Não havia ali ninguém, exceto os dois velhos
que estavam escondidos,
e a espreitavam.
17Então ela disse às empregadas:
'Por favor, ide buscar-me óleo e perfumes
e trancai as portas do pomar,
para que eu possa tomar banho'.
19Apenas as empregadas tinham saído,
os dois velhos levantaram-se
e correram para Susana, dizendo:
20'Olha, as portas do pomar estão trancadas
e ninguém nos está vendo.
Estamos apaixonados por ti:
concorda conosco e entrega-te a nós!
21Caso contrário, deporemos contra ti,
que um moço esteve aqui,
e que foi por isso
que mandaste embora as empregadas'.
22Gemeu Susana, dizendo:
'Estou cercada de todos os lados!
Se eu fizer isto, espera-me a morte;
e, se não o fizer,
também não escaparei das vossas mãos;
23mas é melhor para mim, não o fazendo,
cair nas vossas mãos do que pecar diante do Senhor!'
24Então ela pôs-se a gritar em alta voz,
mas também os dois velhos gritaram contra ela.
25Um deles correu para as portas do pomar e as abriu.
26As pessoas da casa ouviram a gritaria no pomar
e precipitaram-se pela porta do fundo,
para ver o que estava acontecendo,
27Quando os velhos apresentaram sua versão dos fatos,
os empregados ficaram muito constrangidos,
porque jamais se dissera coisa semelhante
a respeito de Susana.
28No dia seguinte,
o povo veio reunir-se em casa de Joaquim, seu marido.
Os dois anciãos vieram também,
com a intenção criminosa
de conseguir sua condenação à morte.
Por isso, assim falaram ao povo reunido:
29'Mandai chamar Susana,
filha de Helcias, mulher de Joaquim'!
E foram chamá-la.
30Ela compareceu em companhia dos pais,
dos filhos e de todos os seus parentes.
33Os que estavam com ela
e todos os que a viam, choravam.
34Os dois velhos levantaram-se no meio do povo
e puseram as mãos sobre a cabeça de Susana.
35Ela, entre lágrimas, olhou para o céu,
pois seu coração tinha confiança no Senhor.
36Entretanto, os dois anciãos deram este depoimento:
'Enquanto estávamos passeando a sós no pomar,
esta mulher entrou com duas empregadas.
Depois, fechou as portas do pomar
e mandou as servas embora.
37Então, veio ter com ela um moço
que estava escondido,
e com ela se deitou.
38Nós, que estávamos num canto do pomar,
vimos esta infâmia.
Corremos para eles e os surpreendemos juntos.
39Quanto ao jovem, não conseguimos agarrá-lo,
porque era mais forte do que nós
e, abrindo as portas, fugiu.
40A ela, porém, agarramos,
e perguntamos quem era aquele moço.
Ela, porém, não quis dizer.
Disto nós somos testemunhas'.
41A assembléia acreditou neles,
pois eram anciãos do povo e juízes.
E condenaram Susana à morte.
42Susana, porém, chorando, disse em voz alta:
'Ó Deus eterno, que conheces as coisas escondidas
e sabes tudo de antemão,
antes que aconteça!
43Tu sabes que é falso o testemunho
que levantaram contra mim!
Estou condenada a morrer,
quando nada fiz do que estes maldosamente inventaram
a meu respeito!'
44O Senhor escutou sua voz.
45Enquanto a levavam para a execução,
Deus excitou o santo espírito de um adolescente,
de nome Daniel.
46E ele clamou em alta voz:
'Sou inocente do sangue desta mulher!'
47Todo o povo então voltou-se para ele e perguntou:
'Que palavra é esta, que acabas de dizer?'
48De pé, no meio deles, Daniel respondeu:
'Sois tão insensatos, filhos de Israel?
Sem julgamento
e sem conhecimento da causa verdadeira,
vós condenais uma filha de Israel?
49Voltai a repetir o julgamento,
pois é falso o testemunho
que levantaram contra ela!'
50Todo o povo voltou apressadamente,
e outros anciãos disseram ao jovem:
'Senta-te no meio de nós
e dá-nos o teu parecer,
pois Deus te deu a honra da velhice.'
51Falou então Daniel:
'Mantende os dois separados,
longe um do outro,
e eu os julgarei.'
52Tendo sido separados,
Daniel chamou um deles e lhe disse:
'Velho encarquilhado no mal!
Agora aparecem os pecados
que estavas habituado a praticar.
53Fazias julgamentos injustos,
condenando inocentes e absolvendo culpados,
quando o Senhor ordena:
'Tu não farás morrer o inocente e o justo!'
54Pois bem,
se é que viste, dize-me
à sombra de que árvore os viste abraçados?'
Ele respondeu:
'É sombra de uma aroeira.'
55Daniel replicou
'Mentiste com perfeição,
contra a tua própria cabeça.
Por isso o anjo de Deus,
tendo recebido já a sentença divina,
vai rachar-te pelo meio!'
56Mandando sair este,
ordenou que trouxessem o outro:
'Raça de Canaã, e não de Judá,
a beleza fascinou-te
e a paixão perverteu o teu coração.
57Era assim que procedíeis com as filhas de Israel,
e elas por medo sujeitavam-se a vós.
Mas uma filha de Judá
não se submeteu a essa iniqüidade.
58Agora, pois, dize-me
debaixo de que árvore os surpreendeste juntos?'
Ele respondeu:
'Debaixo de uma azinheira.'
59Daniel retrucou:
'Também tu mentiste com perfeição,
contra a tua própria cabeça.
Por isso o anjo de Deus já está à espera,
com a espada na mão, para cortar-te ao meio
e para te exterminar!'
60Toda a assistência pôs-se a gritar com força,
bendizendo a Deus, que salva os que nele esperam.
61E voltaram-se contra os dois velhos,
pois Daniel os tinha convencido,
por suas próprias palavras,
de que eram falsas testemunhas.
E, agindo segundo a lei de Moisés,
fizeram com eles
aquilo que haviam tramado perversamente
contra o próximo.
62E assim os mataram,
enquanto, naquele dia, era salva uma vida inocente.
Palavra do Senhor.
Fonte CNBB