quinta-feira, 30 de junho de 2016

1ª Leitura - Am 8,4-6.9-12 - 01.07.2016

Leia também: LITURGIA DA PALAVRA
6ª-feira da 13ª Semana
Tempo Comum
Cor: Verde

Enviarei fome sobre a terra;
não fome de pão, mas de ouvir a palavra do Senhor.

Leitura daProfecia de Amós 8,4-6.9-12

4Ouvi isto, vós que maltratais os humildes
e causais a prostração dos pobres da terra;
5vós que andais dizendo:
'Quando passará a lua nova,
para vendermos bem a mercadoria?
E o sábado, para darmos pronta saída ao trigo,
para diminuir medidas, aumentar pesos,
e adulterar balanças,
6dominar os pobres com dinheiro
e os humildes com um par de sandálias,
e para pôr à venda o refugo do trigo?'
9Acontecerá que naquele dia,
diz o Senhor Deus,
farei que o sol se ponha ao meio-dia
e em pleno dia escureça a terra;
10mudarei em luto vossas festas
e em pranto todos os vossos cânticos;
farei vestir saco a todas as cinturas
e tornarei calvas todas as cabeças,
o país porá luto, como por um filho único,
e o final desse dia terminará em amargura.
11Eis que virão dias,
diz o Senhor,
em que enviarei fome sobre a terra;
não fome de pão, nem sede de água,
mas de ouvir a palavra do Senhor'.
12Os homens vaguearão de um mar a outro mar,
circulando do norte para o oriente,
em busca da palavra do Senhor,
mas não a encontrarão.
Palavra do Senhor.
Fonte CNBB

quarta-feira, 29 de junho de 2016

1ª Leitura - Am 7,10-17 - 30.06.2016


5ª-feira da 13ª Semana
Tempo Comum
Cor: Verde

Vai profetizar para Israel, meu povo.

Leitura da Profecia de Amós 7,10-17

Naqueles dias:
10Amasias, sacerdote de Betel,
mandou dizer a Jeroboão, rei de Israel:
'Amós conspira contra ti,
dentro da própria casa de Israel;
o país não consegue evitar
que se espalhem todas as suas palavras.
11Ele anda dizendo:
'Jeroboão morrerá pela espada,
e Israel será deportado de sua pátria, como escravo`'.
12Disse depois Amasias a Amós:
'Vidente, sai e procura refúgio em Judá,
onde possas ganhar teu pão e exercer a profecia;
13mas em Betel não deverás insistir em profetizar,
porque aí fica o santuário do rei e a corte do reino.'
14Respondeu Amós a Amasias, dizendo:
'Não sou profeta
nem sou filho de profeta;
sou pastor de gado e cultivo sicômoros.
15O Senhor chamou-me, quando eu tangia o rebanho,
e o Senhor me disse:
'Vai profetizar para Israel, meu povo`'.
16E agora ouve a palavra do Senhor.
Tu dizes:
'Não profetizes contra Israel
e não insinues palavras contra a casa de Isaac.
17Pois bem, isto diz o Senhor:
'Tua mulher se prostituirá na cidade,
teus filhos e filhas morrerão pela espada,
tuas terras serão tomadas e loteadas;
tu mesmo morrerás em terra poluída,
e Israel será levado em cativeiro
para longe de seu país'.
Palavra do Senhor.
Fonte CNBB

terça-feira, 28 de junho de 2016

1ª Leitura - Am 5,14-15.21-24 - 29.06.2016

Leia também: LITURGIA DA PALAVRA
4ª-feira da 13ª Semana
Tempo Comum
Cor: Verde

Livra-me da balbúrdia dos teus cantos;
que a justiça seja abundante como água.

Leitura da Profecia de Amós 5,14-15.21-24

14Buscai o bem, não o mal,
para terdes mais vida,
só assim o Senhor Deus dos exércitos
vos assistirá, como tendes afirmado.
15Odiai o mal, amai o bem,
restabelecei a justiça no julgamento,
talvez o Senhor Deus dos exércitos
se compadeça do resto da tribo de José.
21'Aborreço, rejeito vossas festas,
não me agradam vossas assembléias de culto.
22Se me oferecerdes holocaustos,
não aceitarei vossas oblações
e não farei caso
de vossos gordos animais de sacrifício.
23Livra-me da balbúrdia dos teus cantos,
não quero ouvir a toada de tuas liras.
24Que a justiça seja abundante como água
e a vida honesta, como torrente perene.'
Palavra do Senhor.
Fonte CNBB

segunda-feira, 27 de junho de 2016

1ª Leitura - Am 3,1-8; 4,11-12 - 28.06.2016

Leia também: LITURGIA DA PALAVRA
3ª-feira da 13ª Semana
Tempo Comum
Cor: Verde

Falou o Senhor Deus, quem não será seu profeta?

Leitura da Profecia de Amós 3,1-8; 4,11-12

1Ouvi, filhos de Israel,
a palavra que disse o Senhor para vós
e para todas as tribos
que eu retirei do Egito:
2'Dentre todas as nações da terra,
somente a vós reconheci;
por isso usarei o castigo
por todas as vossas iniqüidades.
3Se duas pessoas caminham juntas,
não é porque estão de acordo?
4Se o leão ruge na selva,
não é porque encontrou a presa?
Se no covil rosna o filhote do leão,
não é porque agarrou sua parte?
5Acaso, sem armadilha,
se prende uma ave no chão?
Acaso dispara a armadilha,
antes de capturar a presa?
6Se ressoa na cidade o toque da trombeta,
não fica a população apavorada?
Se acontece uma desgraça na cidade,
não foi o Senhor que fez?
7Pois nada fará o Senhor Deus,
que não revele o plano
a seus servos, os profetas.
8Ruge o leão,
quem não terá medo?
Falou o Senhor Deus,
quem não será seu profeta?'
4,11'Eu arrasei-vos,
como arrasei Sodoma e Gomorra,
e ficastes como um tição,
retirado da fogueira;
e, contudo, não voltastes para mim',
diz o Senhor.
12Por isso, assim te tratarei, Israel;
e, porque sabes como te vou tratar,
prepara-te, Israel,
para ajustar contas com o teu Deus.
Palavra do Senhor.
Fonte CNBB

domingo, 26 de junho de 2016

1ª Leitura - Am 2,6-10.13-16 - 27.06.2016

Leia também: LITURGIA DA PALAVRA
2ª-feira da 13ª Semana
Tempo Comum
Cor: Verde

Pisam, na poeira do chão, a cabeça dos pobres.

Leitura da Profecia de Amós 2,6-10.13-16

6Isto diz o Senhor:
'Pelos três crimes de Israel,
pelos seus quatro crimes, não retirarei a palavra:
porque eles vendem o justo por dinheiro
e o indigente, pelo preço de um par de chinelos;
7pisam, na poeira do chão, a cabeça dos pobres,
e impedem o progresso dos humildes;
filho e pai vão à mesma mulher,
profanando meu santo nome;
8deitando-se junto a qualquer altar,
usando roupas que foram entregues em penhor,
bebem vinho à custa de pessoas multadas,
na casa de Deus.
9Entretanto, eu tinha aniquilado,
diante deles, os amorreus,
homens espadaúdos como cedros
e robustos como carvalhos,
destruindo-lhes os frutos na ramada
e arrancando-lhes as raízes.
10Fui eu que vos fiz sair
da terra do Egito
e vos guiei pelo deserto,
durante quarenta anos,
para ocupardes a terra dos amorreus.
13Pois bem, eu vos calcarei aos pés,
como calca o chão a carroça carregada de feixes;
14o mais ágil não conseguirá fugir,
o mais forte não achará força,
o valente não salvará a vida;
15o arqueiro não resistirá de pé,
o corredor veloz não terá pernas para escapar,
nem se salvará o cavaleiro;
16o mais corajoso dentre os corajosos
fugirá nu, naquele dia',
diz o Senhor.
Palavra do Senhor.
Fonte CNBB

sábado, 25 de junho de 2016

1ª Leitura - 1Rs 19,16b.19-21 - 26.06.2016

Leia também: LITURGIA DA PALAVRA
13º DOMINGO
Tempo Comum
Cor: Verde

Eliseu levantou-se e seguiu Elias.

Leitura do Primeiro Livro dos Reis 19,16b.19-21

Naqueles dias:
disse o Senhor a Elias: vai e unge
16ba Eliseu, filho de Safat, de Abel-Meula,
como profeta em teu lugar.
19Elias partiu dali e encontrou Eliseu, filho de Safat,
lavrando a terra com doze juntas de bois;
e ele mesmo conduzia a última.
Elias, ao passar perto de Eliseu,
lançou sobre ele o seu manto.
20Então Eliseu deixou os bois
e correu atrás de Elias, dizendo:
'Deixa-me primeiro ir beijar meu pai e minha mãe,
depois te seguirei'.
Elias respondeu:
'Vai e volta!
Pois o que te fiz eu?
21Ele retirou-se,
tomou a junta de bois e os imolou.
Com a madeira do arado e da canga assou a carne
e deu de comer à sua gente.
Depois levantou-se, seguiu Elias
e pôs-se ao seu serviço.
Palavra do Senhor.
Fonte CNBB

sexta-feira, 24 de junho de 2016

1ª Leitura - Lm 2,2.10-14.18-19 - 25.06.2016

Leia também: LITURGIA DA PALAVRA
Sábado da 12ª Semana
Tempo Comum
Cor: Verde

Grite o teu coração ao Senhor,
em favor dos muros da cidade de Sião.

Leitura do Livro das Lamentações 2,2.10-14.18-19

2O Senhor destruiu sem piedade
todos os campos de Jacó;
em sua ira deitou abaixo
as fortificações da cidade de Judá;
lançou por terra, aviltou
a realeza e seus príncipes.
10Sentados no chão,
em silêncio, os anciãos da cidade de Sião
espalharam cinza na cabeça,
vestiram-se de saco;
as jovens de Jerusalém
inclinaram a cabeça para o chão.
11Meus olhos estão machucados de lágrimas,
fervem minhas entranhas;
derrama-se por terra o meu fel
diante da arruinada cidade de meu povo,
vendo desfalecerem tantas crianças
pelas ruas da cidade.
12Elas pedem às mães:
'O trigo e o vinho, onde estão?'
E vão caindo como derrubadas pela morte
nas ruas da cidade,
até expirarem no colo das mães.
13Com quem te posso comparar,
ou a quem te posso assemelhar,
Ó cidade de Jerusalém?
A quem te igualarei, para te consolar,
ó cidade de Sião?
Grande como o mar é tua aflição;
quem poderá curar-te?
14Teus profetas te fizeram ver
imagens falsas e insensatas,
não puseram a descoberto a tua malícia,
para tentar mudar a tua sorte;
ao contrário, deram-te oráculos
mentirosos e atraentes.
18Grite o teu coração ao Senhor,
em favor dos muros da cidade de Sião;
deixa correr uma torrente de lágrimas,
de dia e de noite.
Não te concedas repouso,
não cessem de chorar as pupilas de teus olhos.
19Levanta-te, chora na calada da noite,
no início das vigílias,
derrama o teu coração, como água,
diante do Senhor;
ergue as mãos para ele,
pela vida de teus pequeninos,
que desfalecem de fome
em todas as encruzilhadas.
Palavra do Senhor.
Fonte CNBB

quinta-feira, 23 de junho de 2016

1ª Leitura - Is 49,1-6 - 24.06.2016

Leia também: LITURGIA DA PALAVRA
Natividade de São João Batista .
Solenidade
Cor: Branco

Eu te farei luz das nações, para que
minha salvação chegue até aos confins da terra.

(2º canto do Servo do Senhor)
Leitura do Livro do Profeta Isaías 49,1-6
1Nações marinhas, ouvi-me, povos distantes, prestai atenção:
o Senhor chamou-me antes de eu nascer,
desde o ventre de minha mãe
ele tinha na mente o meu nome;
2fez de minha palavra uma espada afiada,
protegeu-me à sombra de sua mão
e fez de mim uma flecha aguçada,
escondida em sua aljava,
3e disse-me: 'Tu és o meu Servo,
Israel, em quem serei glorificado'.
4E eu disse: 'Trabalhei em vão,
gastei minhas forças sem fruto, inutilmente;
entretanto o Senhor me fará justiça
e o meu Deus me dará recompensa'.
5E agora diz-me o Senhor
- ele que me preparou desde o nascimento
para ser seu Servo - que eu recupere Jacó para ele
e faça Israel unir-se a ele;
aos olhos do Senhor esta é a minha glória.
6Disse ele: 'Não basta seres meu Servo
para restaurar as tribos de Jacó
e reconduzir os remanescentes de Israel:
eu te farei luz das nações,
para que minha salvação
chegue até aos confins da terra'.
Palavra do Senhor.
Fonte CNBB

quarta-feira, 22 de junho de 2016

1ª Leitura - 2Rs 24,8-17 - 23.06.2016

Leia também: LITURGIA DA PALAVRA
5ª-feira da 12ª Semana
Tempo Comum
Cor: Verde

O rei da Babilônia levou prisioneiros para Babilônia
Joaquim e todos os homens capazes de empunhar armas.

Leitura do Segundo Livro dos Reis 24,8-17

8Joaquim tinha dezoito anos quando começou a reinar
e reinou três meses em Jerusalém.
Sua mãe chamava-se Noesta, filha de Elnatã, de Jerusalém.
9E ele fez o mal diante do Senhor,
segundo tudo o que seu pai tinha feito.
10Naquele tempo,
os oficiais de Nabucodonosor, rei da Babilônia,
marcharam contra Jerusalém
e a cidade foi sitiada.
11Nabucodonosor, rei da Babilônia,
veio em pessoa atacar a cidade,
enquanto seus soldados a sitiavam.
12Então Joaquim, rei de Judá,
apresentou-se ao rei da Babilônia,
com sua mãe, seus servos, seus príncipes e seus eunucos.
E o rei da Babilônia os fez prisioneiros.
Isto aconteceu no oitavo ano do seu reinado.
13Nabucodonosor levou todos os tesouros
do templo do Senhor e do palácio real,
e quebrou todos os objetos de ouro
que Salomão, rei de Israel,
havia fabricado para o templo do Senhor,
conforme o Senhor havia anunciado.
14Levou para o cativeiro Jerusalém inteira,
todos os príncipes e todos os valentes do exército,
num total de dez mil exilados,
e todos os ferreiros e serralheiros;
só deixou a população mais pobre do país.
15Deportou Joaquim para Babilônia,
e do mesmo modo exilou de Jerusalém para a Babilônia
a rainha-mãe, as mulheres do rei,
seus eunucos e todos os nobres do país.
16Todos os homens fortes, num total de sete mil,
os ferreiros e os serralheiros em número de mil,
todos os homens capazes de empunhar armas,
foram conduzidos para o exílio pelo rei da Babilônia.
17E, em lugar de Joaquim, ele nomeou seu tio paterno,
Matanias, mudando-lhe o nome para Sedecias.
Palavra do Senhor.
Fonte CNBB

terça-feira, 21 de junho de 2016

1ª Leitura - 2Rs 22,8-13; 23,1-3 - 22.06.2016

Leia também: LITURGIA DA PALAVRA
4ª-feira da 12ª Semana
Tempo Comum
Cor: Verde

O rei leu diante do povo o conteúdo do livro
da Aliança que tinha sido achado na casa do Senhor;
e concluiu a aliança diante do Senhor.

Leitura do Segundo Livro dos Reis 22,8-13; 23,1-3

Naqueles dias:
8O sumo-sacerdote Helcias disse ao secretário Safã:
'Achei o livro da Lei na casa do Senhor!'
Helcias deu o livro a Safã, que também o leu.
9Então o secretário Safã foi à presença do rei
e fez-lhe um relatório nestes termos:
'Os teus servos juntaram o dinheiro
que se achou no templo
e entregaram-no aos empreiteiros
encarregados do templo do Senhor'.
10Em seguida, o secretário Safã comunicou ao rei:
'O sacerdote Helcias entregou-me um livro'.
E Safã leu-o diante do rei.
11Ao ouvir as palavras do livro da Lei.
o rei rasgou as suas vestes.
12E ordenou ao sacerdote Helcias,
a Aicam, filho de Safã,
a Acobor, filho de Miquéias,
ao secretário Safã e a Asaías, ministro do rei:
13'Ide e consultai o Senhor a meu respeito,
a respeito do povo e de todo o Judá,
sobre as palavras deste livro que foi encontrado.
Grande deve ser a ira do Senhor que se inflamou contra nós,
porque nossos pais não obedeceram às palavras deste livro,
nem puseram em prática tudo o que nos fora prescrito'.
23,1Então o rei mandou que se apresentassem diante dele
todos os anciãos de Judá e de Jerusalém.
2E subiu ao templo do Senhor
com todos os homens de Judá
e todos os habitantes de Jerusalém,
os sacerdotes, os profetas
e todo o povo, do maior ao menor.
Leu diante deles todo o conteúdo do livro da Aliança
que tinha sido achado na casa do Senhor.
3De pé, sobre o seu estrado,
o rei concluiu a aliança diante do Senhor,
obrigando-se a seguir o Senhor
e a observar seus mandamentos, preceitos e decretos,
de todo o seu coração e de toda a sua alma,
cumprindo as palavras da Aliança escritas naquele livro.
E todo o povo aderiu à Aliança.
Palavra do Senhor.
Fonte CNBB

segunda-feira, 20 de junho de 2016

1ª Leitura - 2Rs 19,9b-11.14-21.31-35a.36 - 21.06.2016

Leia também: LITURGIA DA PALAVRA
3ª-feira da 12ª Semana
Tempo Comum
S. Luís Gonzaga Rlg, memória
Cor: Branco

Protegerei esta cidade e a salvarei
em atenção a mim mesmo e ao meu servo Davi.

Leitura do Segundo Livro dos Reis 19,9b-11.14-21.31-35a.36

Naqueles dias:
9aSenaquerib, rei da Assíria, enviou de novo
mensageiros a Ezequias para dizer-lhe:
10Não te seduza o teu Deus, em quem confias, pensando:
Jerusalém não será entregue nas mãos do rei dos assírios.
11Porque tu mesmo tens ouvido
o que os reis da Assíria fizeram a todas as nações
e como as devastaram.
Só tu te vais salvar?'
14Ezequias tomou a carta da mão dos mensageiros e leu-a.
Depois subiu ao templo do Senhor,
estendeu a carta diante do Senhor
15e, na presença do Senhor, fez a seguinte oração:
'Senhor, Deus de Israel,
que estás sentado sobre os querubins!
Tu és o único Deus de todos os reinos da terra.
Tu fizeste o céu e a terra.
16Inclina o teu ouvido, Senhor e ouve.
Abre, Senhor, os teus olhos e vê.
Ouve todas as palavras de Senaquerib,
que mandou emissários para insultar o Deus vivo.
17É verdade, Senhor,
que os reis da Assíria
devastaram as nações e seus territórios;
18lançaram os seus deuses ao fogo,
porque não eram deuses,
mas obras das mãos dos homens, de madeira e pedra,
por isso os puderam destruir.
19Mas agora, Senhor, nosso Deus,
livra-nos de suas mãos,
para que todos os reinos da terra
saibam que só tu, Senhor, és Deus'.
20Então Isaías, filho de Amós,
mandou dizer a Ezequias:
'Assim fala o Senhor, Deus de Israel:
Ouvi a prece que me dirigiste
a respeito de Senaquerib, rei da Assíria.
21Eis o que o Senhor disse dele:
A virgem filha de Sion despreza-te e zomba de ti.
A filha de Jerusalém meneia a cabeça nas tuas costas.
31Pois um resto sairá de Jerusalém,
e sobreviventes, do monte Sião.
Eis o que fará o zelo do Senhor Todo-poderoso.
32Por isso, assim diz o Senhor acerca do rei da Assíria:
Ele não entrará nesta cidade,
nem lançará nenhuma flecha contra ela,
nem a assaltará com escudo,
nem a cercará com trincheira alguma.
33Pelo caminho, por onde veio, há de voltar,
e não entrará nesta cidade, diz o Senhor.
34Protegerei esta cidade e a salvarei
em atenção a mim mesmo e ao meu servo Davi'.
35aNaquela mesma noite, saiu o Anjo do Senhor
e exterminou no acampamento assírio
cento e oitenta e cinco mil homens.
36Senaquerib, rei da Assíria,
levantou acampamento e partiu.
Voltou para Nínive e aí permaneceu.
Palavra do Senhor.
Fonte CNBB

domingo, 19 de junho de 2016

1ª Leitura - 2Rs 17,5-8.13-15a.18 - 20.06.2016

Leia também: LITURGIA DA PALAVRA
2ª-feira da 12ª Semana
Tempo Comum
Cor: Verde

O Senhor rejeitou Israel para longe da sua face,
restando apenas a tribo de Judá.

Leitura do Segundo Livro dos Reis 17,5-8.13-15a.18

Naqueles dias:
5Salmanasar, rei da Assíria invadiu todo o país.
E, chegando a Samaria,
sitiou-a durante três anos.
6No nono ano de Oséias,
o rei da Assíria tomou Samaria
e deportou os habitantes de Israel para a Assíria,
estabelecendo-os em Hala
e nas margens do Habor, rio de Gozã,
e nas cidades da Média.
7Isto aconteceu
porque os filhos de Israel
pecaram contra o Senhor, seu Deus,
que os tinha tirado do Egito,
libertando-os da opressão do Faraó, rei do Egito,
porque tinham adorado outros deuses.
8Eles seguiram os costumes dos povos
que o Senhor havia expulsado diante deles,
e as leis introduzidas pelos reis de Israel.
13O Senhor tinha advertido seriamente Israel e Judá
por meio de todos os profetas e videntes, dizendo:
'Voltai dos vossos maus caminhos
e observai meus mandamentos e preceitos,
conforme todas as leis que prescrevi a vossos pais
e que vos comuniquei
por intermédio de meus servos, os profetas'.
14Eles, porém, não prestaram ouvidos,
mostrando-se tão obstinados como seus pais,
que não tinham acreditado no Senhor, seu Deus.
15aDesprezaram as suas leis
e a aliança que tinha feito com seus pais,
e os testemunhos com que os havia garantido.
18O Senhor indignou-se profundamente
contra os filhos de Israel
e rejeitou-os para longe da sua face,
restando apenas a tribo de Judá.
Palavra do Senhor.
Fonte CNBB

sábado, 18 de junho de 2016

1ª Leitura - Zc 12,10-11;13,1 - 19.06.2016

Leia também: LITURGIA DA PALAVRA
12º DOMINGO
Tempo Comum
Cor: Verde

Contemplarão aquele a quem transpassaram.

Leitura da Profecia de Zacarias 12,10-11;13,1

Assim diz o Senhor:
10Derramarei sobre a casa de Davi
e sobre os habitantes de Jerusalém
um espírito de graça e de oração;
eles olharão para mim.
Ao que eles feriram de morte,
hão de chorá-lo,
como se chora a perda de um filho único,
e hão de sentir por ele a dor
que se sente pela morte de um primogênito.
11Naquele dia, haverá um grande pranto em Jerusalém,
como foi o de Adadremon, no campo de Magedo.
13,1Naquele dia,
haverá uma fonte acessível
à casa de Davi e aos habitantes de Jerusalém,
para ablução e purificação.
Palavra do Senhor.
Fonte CNBB

sexta-feira, 17 de junho de 2016

1ª Leitura - 2Cr 24,17-25 - 18.06.2016

Leia também: LITURGIA DA PALAVRA
Sábado da 11ª Semana
Tempo Comum
Cor: Verde

Mataram Zacarias no pátio do templo do Senhor.(Cf.Mt 23,35)

Leitura do Segundo Livro das Crônicas 24,17-25

17Depois da morte de Joiada,
os chefes de Judá vieram prostrar-se diante do rei Joás,
que, atraído por suas lisonjas, se deixou levar por eles.
18Os chefes de Judá abandonaram o templo do Senhor,
o Deus de seus pais,
e prestaram culto a troncos sagrados e a imagens esculpidas,
atraindo a ira divina sobre Judá e Jerusalém
por causa desse crime.
19O Senhor mandou-lhes profetas
para que se convertessem a ele.
Porém, por mais que estes protestassem,
não lhe queriam dar ouvidos.
20Então o espírito de Deus apoderou-se de Zacarias,
filho do sacerdote Joiada,
e ele apresentou-se ao povo e disse:
'Assim fala Deus:
Por que transgredis os preceitos do Senhor?
Isto não vos será de nenhum proveito.
Porque abandonastes o Senhor,
ele também vos abandonará'.
21Eles, porém, conspiraram contra Zacarias
e mataram-no à pedrada por ordem do rei,
no pátio do templo do Senhor.
22O rei Joás não se lembrou do bem
que Joiada, pai do profeta, lhe tinha feito,
e matou o seu filho.
Zacarias, ao morrer, disse:
'Que o Senhor veja e faça justiça!'
23Ao cabo de um ano, o exército da Síria marchou contra
Joás, invadiu Judá e Jerusalém,
massacrou os chefes do povo,
e enviou toda a presa de guerra ao rei de Damasco.
24Na verdade,
o exército da Síria veio com poucos homens,
mas o Senhor entregou nas mãos deles
um exército enorme,
porque Judá tinha abandonado o Senhor,
o Deus de seus pais.
Assim, os sírios fizeram justiça contra Joás.
25Quando eles se retiraram,
deixando-o gravemente enfermo,
seus homens conspiraram contra ele,
para vingar o filho do sacerdote Joiada,
e mataram-no em seu leito.
Ele morreu e foi sepultado na cidade de Davi,
mas não no sepulcro dos reis.
Palavra do Senhor.
Fonte CNBB

quinta-feira, 16 de junho de 2016

1ª Leitura - 2Rs 11,1-4.9-18.20 - 17.06.2016

Leia também: LITURGIA DA PALAVRA
6ª-feira da 11ª Semana
Tempo Comum
Cor: Verde

Ungiram Joás e aclamaram: 'Viva o rei!'

Leitura do Segundo Livro dos Reis 11,1-4.9-18.20

Naqueles dias:
1Quando Atalia, mãe de Ocozias,
soube que o filho estava morto,
pôs-se a exterminar toda a família real.
2Mas Josaba, filha do rei Jorão e irmã de Ocozias,
raptou o filho dele, Joás, do meio dos filhos do rei,
que iriam ser massacrados,
e colocou-o, com sua ama, no quarto de dormir.
Assim, escondeu-o de Atalia e ele não foi morto.
3E ele ficou seis anos com ela,
escondido no templo do Senhor,
enquanto Atalia reinava no país.
4No sétimo ano,
Joiada mandou chamar os centuriões
dos quereteus e da escolta,
e introduziu-os consigo no templo do Senhor.
Fez com eles um contrato,
mandou que prestassem juramento no templo do Senhor
e mostrou-lhes o filho do rei.
9Os centuriões fizeram tudo
o que o sacerdote Joiada lhes tinha ordenado.
Cada um reuniu seus homens,
tanto os que entravam de serviço no sábado,
como os que saíam.
Vieram para junto do sacerdote Joiada,
10e este entregou aos centuriões
as lanças e os escudos de Davi,
que estavam no templo do Senhor.
11Em seguida, os homens da escolta,
de armas na mão, tomaram posição
a partir do lado direito do templo até ao esquerdo,
entre o altar e o templo, em torno do rei.
12Então Joiada apresentou o filho do rei,
cingiu-o com o diadema
e entregou-lhe o documento da Aliança.
E proclamaram-no rei, deram-lhe a unção
e, batendo palmas, aclamaram: 'Viva o rei!'
13Ouvindo os gritos do povo,
Atália veio em direção da multidão no templo do Senhor.
14Quando viu o rei de pé sobre o estrado,
segundo o costume,
os chefes e os trombeteiros do rei junto dele,
e todo o povo do país
exultando de alegria e tocando as trombetas,
Atália rasgou suas vestes e bradou:
'Traição! Traição!'
15Então o sacerdote Joiada ordenou aos centuriões
que comandavam a tropa:
'Levai-a para fora do recinto do templo
e, se alguém a seguir, seja morto à espada'.
Pois o sacerdote havia dito:
'Não seja morta dentro do templo do Senhor'.
16Agarraram-na e levaram-na aos empurrões
pelo caminho da porta dos Cavalos até ao palácio,
e ali foi morta.
17Em seguida, Joiada fez uma aliança
entre o Senhor, o rei e o povo,
pela qual este se comprometia a ser o povo do Senhor.
Fez também uma aliança entre o rei e o povo.
18Todo o povo do país
dirigiu-se depois ao Templo de Baal e demoliu-o.
Destruíram totalmente os altares e as imagens
e mataram Matã, sacerdote de Baal, diante dos altares.
E o sacerdote Joiada pôs guardas na casa do Senhor.
20Todo o povo do país o festejou
e a cidade manteve-se calma.
Palavra do Senhor.
Fonte CNBB

quarta-feira, 15 de junho de 2016

1ª Leitura - Eclo 48,1-15 (Gr. 1-14) - 16.06.2016

Leia também: LITURGIA DA PALAVRA
5ª-feira da 11ª Semana
Tempo Comum
Cor: Verde

Elias foi envolvido no turbilhão,
e Eliseu ficou repleto do seu espírito.

Leitura do Livro do Eclesiástico 48,1-15 (Gr. 1-14)

1O profeta Elias surgiu como um fogo,
e sua palavra queimava como uma tocha.
2Fez vir a fome sobre eles
e, no seu zelo, reduziu-os a pouca gente.
3Pela palavra do Senhor fechou o céu
e de lá fez cair fogo por três vezes.
4Ó Elias, como te tornaste glorioso por teus prodígios!
Quem poderia gloriar-se de ser semelhante a ti?
5Tu, que levantaste um homem da morte
e dos abismos, pela palavra do Senhor;
6tu, que precipitaste reis na ruína
e fizeste cair do leito homens ilustres;
7tu, que ouvistes censuras no Sinai
e decretos de vingança no Horeb.
8Tu ungiste reis, para tirar vingança,
e profetas, para te sucederem;
9tu foste arrebatado num turbilhão de fogo,
um carro de cavalos também de fogo,
10tu, nas ameaças para os tempos futuros,
foste designado para acalmar a ira do Senhor antes do furor,
para reconduzir o coração do pai ao filho,
e restabelecer as tribos de Jacó.
11Felizes os que te viram,
e os que adormeceram na tua amizade!
12Nós também, com certeza, viveremos;
mas, após a morte, não será tal o nosso nome.
13Apenas Elias foi envolvido no turbilhão,
Eliseu ficou repleto do seu espírito.
Durante a vida não temeu príncipe algum,
e ninguém o superou em poder.
14Nada havia acima de suas forças,
e, até já morto, seu corpo profetizou.
15Durante a vida realizou prodígios
e, mesmo na morte, suas obras foram maravilhosas.
Palavra do Senhor.
Fonte CNBB

terça-feira, 14 de junho de 2016

1ª Leitura - 2Rs 2,1.6-14 - 15.06.2016

Leia também: LITURGIA DA PALAVRA
4ª-feira da 11ª Semana
Tempo Comum
Cor: Verde

Num carro de fogo, Elias subiu ao céu.

Leitura do Segundo Livro dos Reis 2,1.6-14

1Quando o Senhor quis arrebatar Elias ao céu,
num redemoinho,
Elias e Eliseu partiram de Guilgal.
6Tendo chegado a Jericó, Elias disse a Eliseu:
'Permanece aqui,
porque o Senhor me mandou até ao Jordão'.
E ele respondeu:
'Pela vida do Senhor e pela tua
eu não te deixarei'.
E partiram os dois juntos.
7Então, cinqüenta dos filhos dos profetas os seguiram,
e ficaram parados, à parte, a certa distância,
enquanto eles dois chegaram à beira do Jordão.
8Elias tomou então o seu manto,
enrolou-o e bateu com ele nas águas,
que se dividiram para os dois lados,
de modo que ambos passaram a pé enxuto.
9Depois que passaram, Elias disse a Eliseu:
'Pede o que queres que eu te faça
antes de ser arrebatado da tua presença'.
Eliseu disse:
'Que me seja dada uma dupla porção do teu espírito'.
10Elias respondeu: 'Tu pedes uma coisa muito difícil.
Se me vires quando me arrebatarem da tua presença,
isso te será concedido;
caso contrário, isso não te será dado'.
11E aconteceu que, enquanto andavam e conversavam,
um carro de fogo e cavalos de fogo
os separaram um do outro,
e Elias subiu ao céu num redemoinho.
12Eliseu o via e gritava:
'Meu pai, meu pai, carro de Israel e seu condutor!'
Depois, não o viu mais.
E, tomando as vestes dele, rasgou-as em duas.
13Em seguida, apanhou o manto
que Elias tinha deixado cair
e, voltando sobre seus passos,
estacou à margem do Jordão.
14Tomou então o manto de Elias
e bateu com ele nas águas dizendo:
'Onde está agora o Deus de Elias?'
E bateu nas águas,
que se dividiram, para os dois lados,
e Eliseu atravessou o rio.
Palavra do Senhor.
Fonte CNBB

segunda-feira, 13 de junho de 2016

1ª Leitura - 1Rs 21,17-29 - 14.06.2016

Leia também: LITURGIA DA PALAVRA
3ª-feira da 11ª Semana
Tempo Comum
Cor: Verde

Provocaste a minha ira e fizeste Israel pecar.

Leitura do Primeiro Livro dos Reis 21,17-29

Após a morte de Nabot,
17a palavra do Senhor foi dirigida a Elias, o tesbita,
nestes termos:
18'Levanta-te e desce ao encontro de Acab,
rei de Israel, que reina em Samaria.
Ele está na vinha de Nabot,
aonde desceu para dela tomar posse.
19Isto lhe dirás: 'Assim fala o Senhor:
Tu mataste e ainda por cima roubas!
E acrescentarás: 'Assim fala o Senhor:
No mesmo lugar em que os cães
lamberam o sangue de Nabot,
lamberão também o teu '.
20Acab disse a Elias:
'Afinal encontraste-me, ó meu inimigo?'
Elias respondeu: 'Sim, eu te encontrei.
Porque te vendeste para fazer o que desagrada ao Senhor,
21farei cair sobre ti a desgraça:
varrerei a tua descendência,
exterminando todos os homens da casa de Acab,
escravos ou livres em Israel.
22Farei com a tua família
como fiz com as famílias de Jeroboão, filho de Nabat,
e de Baasa, filho de Aías,
porque provocaste a minha ira e fizeste Israel pecar.
23Também a respeito de Jezabel
o Senhor pronunciou uma sentença:
'Os cães devorarão Jezabel no campo de Jezrael.
24Os da família de Acab que morrerem na cidade,
serão devorados pelos cães,
e os que morrerem no campo,
serão comidos pelas aves do céu' '.
25Não houve ninguém que se tenha vendido como Acab,
para fazer o que desagrada ao Senhor,
porque a isto o incitava sua mulher Jezabel.
26Portou-se de modo abominável,
seguindo os ídolos dos amorreus
que o Senhor tinha expulsado diante dos filhos de Israel.
27Quando Acab ouviu estas palavras, rasgou as vestes,
pôs um cilício sobre a pele e jejuou.
Dormia envolto num pano de penitência e andava abatido.
28Então a palavra do Senhor foi dirigida a Elias,
o tesbita, nestes termos:
29'Viste como Acab se humilhou diante de mim?
Já que ele assim procedeu,
não o castigarei durante a sua vida,
mas nos dias de seu filho
enviarei a desgraça sobre a sua família'.
Palavra do Senhor.
Fonte CNBB

domingo, 12 de junho de 2016

1ª Leitura - 1Rs 21,1-16 - 13.06.2016

Leia também: LITURGIA DA PALAVRA
2ª-feira da 11ª Semana
Tempo Comum
Sto. Antônio de Pádua PresbDr, memória
Cor: Branco

Nabot foi apedrejado e morto.

Leitura do Primeiro Livro dos Reis 21,1-16

Naquele tempo:
1Nabot de Jezrael possuía uma vinha em Jezrael,
ao lado do palácio de Acab, rei de Samaria.
2Acab falou a Nabot:
'Cede-me a tua vinha,
para que eu a transforme numa horta,
pois está perto da minha casa.
Em troca eu te darei uma vinha melhor,
ou, se preferires, pagarei em dinheiro o seu valor'.
3Mas Nabot respondeu a Acab:
'O Senhor me livre de te ceder a herança de meus pais'.
4Acab voltou para casa aborrecido e irritado
por causa desta resposta que lhe deu Nabot de Jezrael:
'Não te cederei a herança de meus pais'.
Deitou-se na cama, com o rosto voltado para a parede,
e não quis comer nada.
5Sua mulher Jezabel aproximou-se dele e disse-lhe:
'Por que estás triste e não queres comer?'
6Ele respondeu:
'Porque eu conversei com Nabot de Jezrael
e lhe fiz a proposta de me ceder a sua vinha
pelo seu preço em dinheiro,
ou, se preferisse, eu lhe daria em troca outra vinha.
Mas ele respondeu que não me cede a vinha'.
7Então sua mulher Jezabel disse-lhe:
'Bela figura de rei de Israel estás fazendo!
Levanta-te, toma alimento e fica de bom humor,
pois eu te darei a vinha de Nabot de Jezrael'.
8Ela escrefeu então cartas em nome de Acab,
selou-as com o selo real,
e enviou-as aos anciãos e nobres da cidade de Nabot.
9Nas cartas estava escrito o seguinte:
'Proclamai um jejum
e fazei Nabot sentar-se entre os primeiros do povo,
10e subornai dois homens perversos contra ele,
que dêem este testemunho:
'Tu amaldiçoaste a Deus e ao rei!`
Levai-o depois para fora
e apedrejai-o até que morra'.
11Os homens da cidade,
anciãos e nobres concidadãos de Nabot,
fizeram conforme a ordem recebida de Jezabel,
como estava escrito nas cartas
que lhes tinha enviado.
12Proclamaram um jejum
e fizeram Nabot sentar-se entre os primeiros do povo.
13Chegaram os dois homens perversos,
sentaram-se diante dele
e testemunharam contra Nabot
diante de toda a assembléia, dizendo:
'Nabot amaldiçoou a Deus e ao rei'.
Em virtude disto, levaram-no para fora da cidade
e mataram-no a pedradas.
14Depois mandaram a notícia a Jezabel:
'Nabot foi apedrejado e morto'.
15Ao saber que Nabot tinha sido apedrejado
e estava morto, Jezabel disse a Acab:
'Levanta-te e toma posse da vinha
que Nabot de Jezrael não te quis ceder
por seu preço em dinheiro;
pois Nabot já não vive; está morto'.
16Quando Acab soube que Nabot estava morto,
levantou-se para descer até a vinha de Nabot de Jezrael
e dela tomar posse.
Palavra do Senhor.
Fonte CNBB

sábado, 11 de junho de 2016

1ª Leitura - 2Sm 12,7-10.13 - 12.06.2016

Leia também: LITURGIA DA PALAVRA
11º DOMINGO
Tempo Comum
Cor: Verde

O Senhor perdoou o teu pecado,
de modo que não morrerás!

Leitura do Segundo Livro de Samuel 12,7-10.13

Naqueles dias:
7Natã disse a Davi: 'Esse homem és tu!
Assim diz o Senhor, o Deus de Israel:
Eu te ungi como rei de Israel,
e salvei-te das mãos de Saul.
8Dei-te a casa do teu senhor
e pus nos teus braços as mulheres do teu senhor,
entregando-te também a casa de Israel e de Judá;
e, se isto te parece pouco,
vou acrescentar outros favores.
9Por que desprezaste a palavra do Senhor,
fazendo o que lhe desagrada?
Feriste à espada o hitita Urias,
para fazer da sua mulher a tua esposa,
fazendo-o morrer pela espada dos amonitas.
10Por isso, a espada jamais se afastará de tua casa,
porque me desprezaste
e tomaste a mulher do hitita Urias
para fazer dela a tua esposa.
13Davi disse a Natã; 'Pequei contra o Senhor'.
Natã respondeu-lhe:
'De sua parte, o Senhor perdoou o teu pecado,
de modo que não morrerás!
Entretanto,
por teres ultrajado o Senhor com teu procedimento
o filho que te nasceu morrerá'.
Palavra do Senhor.
Fonte CNBB

sexta-feira, 10 de junho de 2016

1ª Leitura - At 11,21b-26; 13,1-3 - 11.06.2016

Leia também: LITURGIA DA PALAVRA
São Barnabé, Apóstolo . Memória
Cor: Vermelho

Barnabé era um homem bom,
cheio do Espírito Santo e de fé.

Leitura dos Atos dos Apóstolos 11,21b-26; 13,1-3

Naqueles dias,
11,21bMuitas pessoas acreditaram no Evangelho
e se converteram ao Senhor.
22A notícia chegou aos ouvidos da Igreja
que estava em Jerusalém.
Então enviaram Barnabé até Antioquia.
23Quando Barnabé chegou
e viu a graça que Deus havia concedido,
ficou muito alegre e exortou a todos
para que permanecessem fiéis ao Senhor,
com firmeza de coração.
24É que ele era um homem bom,
cheio do Espírito Santo e de fé.
E uma grande multidão aderiu ao Senhor.
25Então Barnabé partiu para Tarso, à procura de Saulo.
26Tendo encontrado Saulo, levou-o a Antioquia.
Passaram um ano inteiro trabalhando juntos naquela Igreja,
e instruíram uma numerosa multidão.
Em Antioquia os discípulos foram, pela primeira vez,
chamados com o nome de cristãos.
13,1Na igreja de Antioquia, havia profetas e doutores.
Eram eles: Barnabé, Simeão, chamado o Negro,
Lúcio de Cirene, Manaém,
que fora criado junto com Herodes, e Saulo.
2Um dia, enquanto celebravam a liturgia,
em honra do Senhor, e jejuavam,
o Espírito Santo disse:
"Separai para mim Barnabé e Saulo,
a fim de fazerem o trabalho para o qual eu os chamei".
3Então eles jejuaram e rezaram,
impuseram as mãos sobre Barnabé e Saulo,
e deixaram-nos partir.
Palavra do Senhor.
Fonte CNBB